Governo levantou filiação política de cargos de confiança, diz Bolsonaro

132
O Presidente Jair Bolsonaro cumprimenta populares no Palácio da Alvorada. (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

São Paulo – O presidente Jair Bolsonaro disse que o governo investigou a filiação política de funcionários públicos em cargos comissionados – preenchidos por indicação, em vez de concursos públicos – e que sabe quem está vinculado a partidos de oposição, mas não removerá as pessoas da função por causa disso. O Planalto já foi alvo de ação no Supremo Tribunal Federal por vigiar a filiação partidária de servidores públicos.

“Temos uns mais de 20 mil cargos de comissão. Tem alguns milhares filiados ao PT, muita gente de S1 e S2, que ganha R$ 2.000, R$ 2.500 por mês. Está na cara que esse cara se filiou ao PT lá atrás por imposição do chefe dele, petista. Eu vou chegar e demitir esse cara só porque ele é petista?”, afirmou Bolsonaro ontem, durante uma transmissão ao vivo.

O comentário do presidente veio em resposta a críticas de seus eleitores pela decisão de indicar Kassio Marques à vaga que será aberta no Supremo Tribunal Federal (STF) com a aposentadoria do ministro Celso de Mello. Marques foi alçado a desembargador durante o governo do Partido dos Trabalhadores (PT), a partir de uma lista tríplice, e isso gerou críticas da base eleitoral de Bolsonaro à escolha do presidente.

O chefe do Executivo disse a seus críticos que vários membros do governo eram funcionários públicos vinculados às administrações do PT – como o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes – ou foram promovidos durante governos do partido de oposição – ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o secretário de Previdência, Bruno Bianco, por exemplo, que estavam presentes na transmissão e confirmaram a informação.

Bolsonaro disse também que está indicando uma série de reitores federais filiados a partidos de oposição, também porque nestes casos a escolha é feita a partir de uma lista preparada antes e entregue ao presidente.

“Eu estou indicando cara do PCdoB. Tem faculdade que eu estou indicando cara do PSOL. Tem universidade do PT. Eu estou indicando. Chega a lista tríplice para mim. às vezes tem três do PSOL, foram colocados lá pela militância. Quer que eu faça o quê? E daí?”

“Vai chegar para mim uma lista tríplice para o Superior Tribunal de Justiça (STJ). A Lista vai ser feita pela OAB. A princípio são parecidos. Qualquer nome que eu escolha vocês vão bater. ‘Botou petista no STJ’. Raciocina um pouquinho. Quer dar porrada em mim, dá, mas dá por um motivo justo”, acrescentou.

O presidente também disse que parte das críticas que recebe vem da “direita burra, moleque fedelho, cheirando ainda a fralda, que quando eu entrei participei da luta armada em 1970, o pai de vocês nem tinha nascido ainda.”