Transações com cartões devem somar mais de R$ 3,6 trilhões em 2023, diz Abecs

349
Foto: energepic.com / Pexels

São Paulo – A Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) estima que o uso dos meios eletrônicos de pagamento deve somar mais de R$ 3,6 trilhões em 2023. Hoje, os pagamentos com cartões representam quase 60% do consumo das famílias e mais de um terço do Produto Interno Bruto (PIB), e existem no Brasil mais de 21 milhões de máquinas e dispositivos de captura de transações. A modalidade de pagamento por aproximação já representa metade das compras presenciais com cartões. Os dados foram apresentados pela entidade em evento que realizou hoje, em Brasília, para celebrar os dez anos da lei 12.865/2013, que deu origem ao marco legal das instituições de pagamento no Brasil.

“O marco legal consagra o setor no seu aspecto de evolução competitiva e mitigação de risco sistêmico que antes não existia”, disse Giancarlo Greco, presidente da Abecs e CEO da Elo. A entidade tem cerca de 100 empresas associadas.

Segundo a associação, em 2013, ano que deu início à regulação do setor pelo Banco Central do Brasil, as transações com cartões de crédito e débito já somavam um volume de mais de R$ 850 bilhões, com crescimento na casa de 18%. A indústria de meios eletrônicos de pagamento passou por uma extensa jornada de transformação ao longo dos anos. O resultado foi a consolidação do mercado como um dos pilares fundamentais da economia e da sociedade, afirma a Abecs.

O encontro contou com a presença de membros da diretoria do Banco Central, bem como do conselho e da diretoria da Abecs, além de executivos que lideram as empresas do setor e entidades do mercado financeiro.

Dívidas com bancos e cartão de crédito representaram 28,9% das pendências financeiras em setembro, aponta Serasa

As contas com bancos e cartão de crédito tiveram uma queda de 0,31 pontos percentuais entre agosto e setembro, passando de 29,2% das pendências financeiras no Brasil para 28,9%. Esse é o menor volume do ano, que já chegou a 31,9% em maio. É o que aponta a mais recente edição do Mapa da Inadimplência e Renegociação de Dívidas da Serasa, lançada hoje, com dados do mês de setembro de 2023.

O levantamento também registrou queda de 0,64 p.p. no setor das contas básicas de água, luz e gás, que passou de 24,4% para 23,8%

Já o número de brasileiros inadimplentes teve leve alta em alta em setembro. Foram 71,8 milhões contra 71,7 milhões em agosto, uma variação de 0,12%. Desse total, 50,4% são mulheres e 49,6% são homens. As faixas etárias mais afetadas foram de 41 a 60 anos de idade (34,9%) e de 26 a 40 anos de idade (34,5%).

Programa Desenrola

Em um momento de incentivo à renegociação de dívidas com o programa Desenrola Brasil, do Governo Federal, a plataforma Serasa Limpa Nome registrou 3,05 milhões de débitos renegociados em setembro, com R$ 8,96 bilhões de descontos concedidos. Algumas empresas parceiras disponibilizam no aplicativo da Serasa ofertas que podem ter o mesmo desconto para pagamento à vista ofertados pelo credor no programa.