Realização e notícias sobre auxílio emergencial impactam mercados

São Paulo – O Ibovespa até conseguiu zerar as perdas de 2020 por alguns instantes na sessão de hoje, mas um movimento de realização de lucros seguido de notícias sobre o auxílio emergencial levou os investidores a frearem o ímpeto e, mais uma vez, adiar o momento, conduzindo o índice à perda do nível de suporte de 115 mil pontos. O principal índice do mercado brasileiro de ações encerrou o pregão em queda de 0,44%, aos 114.611,12 pontos.

A bolsa abriu em alta e chegou a bater 115.740,10 pontos na máxima do dia, mas o avanço desencadeou uma realização de lucros, disseram analistas. Logo em seguida, passaram a pesar sobre os negócios notícias segundo as quais as indefinições envolvendo a vacina aumentam a pressão pela prorrogação do auxílio emergencial no Congresso Nacional.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), por exemplo, propôs a manutenção do pagamento de R$ 300 do benefício durante o primeiro trimestre do ano que vem, mas isto ainda dependeria de aprovação pelo Senado e pela Câmara dos Deputados.

Entre os componentes do índice, as ações da Vale e do setor de siderurgia foram impactadas pela queda do preço do minério de ferro nos mercados internacionais.

Depois de passar a maior parte da tarde operando perto da estabilidade, oscilando entre leves altas e baixas, sustentado principalmente pelo bom humor externo, o Ibovespa firmou-se no vermelho nos minutos finais do pregão.

O dólar comercial fechou em alta de 1,54% no mercado à vista, cotado a R$ 5,1250 para venda, em sessão volátil e de forte amplitude, em meio à cautela do mercado doméstico com a possibilidade de o governo federal estender o pagamento do auxílio emergencial até março do ano que vem, após um senador protocolar a proposta em meio à indefinição de um plano de vacinação contra covid-19 no país.

A equipe econômica do banco Fator ressalta que, a dias do fim do ano, os temas fiscais, de tanto interesse do mercado, permanecem indefinidos. “Sem orçamento [para 2021], sem as diretrizes do mesmo, sem posição clara sobre a tensão teto de gastos e o auxílio emergencial e sem clareza sobre o encaminhamento da sucessão na Câmara [dos Deputados] e no Senado”, avalia.

A notícia de que o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) protocolou uma proposta para manter o pagamento de R$ 300 do benefício no primeiro trimestre do ano que vem e de que a Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO), prevista para ser analisa na quarta-feira, deve ser votada em 2021 refletiu em forte estresse na moeda local, que chegou a buscar os R$ 5,00 no início dos negócios.

O analista-chefe da Toro Investimentos, Rafael Panonko, reforça que o ambiente doméstico, em meio às incertezas fiscais, voltou a elevar a cautela dos investidores. “Qualquer notícia, por qualquer que seja dentro deste tema, entra um fluxo comprador para corrigir a tendência baixista do dólar que começou no início de novembro”, avalia.

Amanhã, na agenda de indicadores, tem os dados da produção industrial e de vendas no varejo da China, em novembro, além de números da indústria norte-americana no mês passado. Mas o destaque fica para a ata da última reunião do ano do Comitê de Política Monetária (Copom), na semana passada.

“Além de mais detalhes sobre as projeções divulgadas no comunicado, espera-se que o documento qualifique melhor sua avaliação sobre o balanço de riscos que envolvem os próximos passos de política monetária”, avalia a equipe econômica do Bradesco.

Panonko, da Toro, destaca que notícias da política e do cenário fiscal devem continuar fazendo preço. “O dólar tem um espaço normal para altas devido ao tamanho da queda que exibiu nas últimas semanas e em novembro, como um todo”, diz.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) encerrara a sessão em alta, mas abaixo da máxima do dia. Os investidores seguem atentos aos indicadores da semana, com ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), e também com Relatório Trimestral de Inflação (RTI). Ambos serão divulgados nessa semana.

Ao final da sessão regular, o DI para janeiro de 2022 tinha taxa de 3,035%, de 3,025% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 4,365%, de 4,33%; o DI para janeiro de 2025 estava em 5,93%, de 5,89%; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 6,79%, de 6,72%, na mesma comparação.

Os principais índices do mercado de ações norte-americano terminaram o dia em queda, com os temores de novas medidas de bloqueio ofuscando o otimismo com a vacinação contra a covid-19 que começou hoje nos Estados Unidos. A exceção foi o Nasdaq, que acabou a sessão em alta.

Confira a variação e a pontuação dos índices de ações dos Estados Unidos no fechamento:

Dow Jones: -0,62%, 29.861,55 pontos

Nasdaq Composto: +0,50%, 12.440,00 pontos

S&P 500: -0,43%, 3.647,49 pontos