Powell reafirma compromisso do Fed com medidas de apoio na pandemia

157
O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell / Foto: Fed

São Paulo – O Federal Reserve (Fed) manterá a abordagem acomodatícia de sua política monetária até que as condições do mercado de trabalho tenham alcançado níveis consistentes com o pleno emprego e que a inflação tenha aceleração para 2% e esteja a caminho de superar essa meta por algum tempo, segundo o presidente do banco central norte-americano, Jerome Powell.

Ele também reafirmou o compromisso de continuar comprando pelo menos US$ 80 bilhões em títulos do Tesouro e outros US$ 40 bilhões em hipotecas por mês até que o mandato duplo do Fed seja cumprido. No entanto, Powell ressaltou o papel fundamental do apoio fiscal na recuperação da economia norte-americana.

“Dado o número de pessoas que perderam seus empregos e a probabilidade de que algumas terão dificuldade para encontrar trabalho na economia pós-pandemia, alcançar e manter o emprego máximo exigirá mais do que uma política monetária de apoio. Isso exigirá um compromisso de toda a sociedade, com contribuições de todo o governo e do setor privado”, disse ele em uma apresentação virtual ao Economic Club of New York.

A declaração de Powell acontece em um momento no qual os democratas do Congresso avançam com um pacote de alívio ao novo coronavírus. O presidente norte-americano, Joe Biden, apresentou no mês passado uma proposta de estímulos de US$ 1,9 trilhão que recebeu críticas de alguns legisladores por seu peso sobre as contas do governo. Para driblar essa barreira, os democratas estão se articulando para uma reconciliação orçamentária – mecanismo que permite que um projeto de lei seja aprovar com maioria simples no Senado e não com o mínimo de 60 votos exigidos.

“Trabalhadores e famílias que lutam para encontrar seu lugar na economia pós-pandemia provavelmente precisarão de apoio contínuo”, afirmou Powell. “O mesmo é verdade para muitas pequenas empresas que provavelmente prosperarão novamente quando a pandemia passar”, acrescentou.

Em mais um sinal de que a taxa de juros deve permanecer próxima de zero por muito tempo nos Estados Unidos, Powell reiterou sua visão de que “uma postura de política monetária pacientemente acomodatícia” será um fator importante na recuperação da economia a um estado saudável em que os trabalhadores – especialmente os de baixa renda – possam encontrar empregos.

A economia dos Estados Unidos encolheu 3,5% no ano passado, a maior contração anual desde a Segunda Guerra Mundial, segundo dados  do Departamento de Comércio. A taxa de desemprego no país caiu para 6,3% em janeiro, de 6,7% um mês antes, de acordos com dados de sexta-feira do Departamento do Trabalho. Antes da pandemia, em fevereiro de 2020, a taxa de desemprego nos Estados Unidos era de 3,5%.

Segundo Powell, a taxa de desemprego subestima o impacto da pandemia sobre os trabalhadores – particularmente os mais vulneráveis. “Contar as pessoas que deixaram a força de trabalho e aquelas cujo status de emprego foi classificado incorretamente aumentaria a taxa de desemprego para cerca de 10% em janeiro”, disse.

Neste sentido, ele afirmou que o Fed está preocupado com os efeitos de longo prazo no mercado de trabalho. “Períodos prolongados de desemprego podem infligir danos persistentes a vidas e meios de subsistência, ao mesmo tempo que corroem a capacidade produtiva da economia. E sabemos pela expansão anterior que pode levar muitos anos para reverter os danos”, afirmou.