Paralisação do alto-forno deve afetar margens da Usiminas, diz Ativa

São Paulo – A ação da Usiminas segue em queda influenciada pelo anúncio de paralisação por até 150 dias das operações do alto-forno 2, na usina de Ipatinga, após incidente na última sexta-feira (24). Após abrir em queda de quase 3%, o papel da empresa (USIM5) perdia 2,51%, a R$ 15,89 às 16h32 (horário de Brasília).

A Ativa Investimentos considerou a notícia é negativa para a companhia pois avalia que possivelmente não obterá as margens que a produção caseira lhe forneceria, mesmo com a afirmação de que irá atuar no mercado disponibilizando seus estoques e adquirindo placas para atender aos seus pedidos.

“O alto-forno dispõe de uma capacidade produtiva mensal de 55 mil toneladas de ferro-gusa. Aguardamos maiores informações sobre o ocorrido bem como as formas de reparo para auferirmos maiores detalhes sobre os desdobramentos financeiros do ocorrido. Temos neutro em Usiminas, com preço-alvo em R$ 25,60”, disse o analista de research da Ativa, Ilan Arbetman.

O analista lembra que o anúncio ocorre três meses após retomar a operação do alto forno após 1,2 ano parado e voltou a operar após mais de R$ 65 milhões em investimentos.