Venda líquida do Tesouro Direto soma R$ 302,6 mi em títulos e chega a 5 milhões de investidores em setembro

178

Por Priscilla Oliveira

Brasília – A venda líquida de títulos públicos pelo governo via programa Tesouro Direto somou R$ 302,6 milhões em setembro. Em agosto, houve resgate líquido de R$ 126,5 milhões, de acordo com dados divulgados pelo Tesouro Nacional.

Os números mostram que o volume bruto de vendas foi 9,19% maior do que o registrado em setembro do ano passado, passando de R$ 1,761 bilhão para R$ 1,923 bilhão, enquanto o resgate de papéis subiu de R$ 921,9 bilhão, para R$ 1,620 bilhões.

As recompras somaram R$ 1,620 bilhão, 99,8% maior na comparação anual. Com isso, o estoque de títulos do Tesouro Direto teve alta de 1,1% em setembro na comparação mensal e alta de 13,9% na comparação anual, para R$ 58,8 bilhões.

Os títulos que tiveram maior procura foram os indexados à taxa Selic (Tesouro Selic) ficaram com 50,2%. Os indexados à inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais) corresponderam a 30,5%. Os prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais) ficaram em terceiro lugar com 19,2%.

Em relação ao prazo de emissão, os títulos com prazo acima de 10 anos tiveram participação de 19,8% nas vendas; enquanto os prazos entre cinco e 10 anos representaram 69% e os títulos com prazo de emissão entre um a cinco anos tiveram 11,2% da participação total.

No mês passado, o Tesouro Direto atingiu 5.001.226 investidores cadastrados, com 197.916 novos investidores, volume 88% maior nos últimos 12 meses. Em relação aos investidores que efetivamente possuem aplicações, o total cresceu 65,4% nos últimos 12 meses. Somente em setembro houve acréscimo de 21.961 novos investidores ativos.