Candidatos à presidência da Argentina encerram suas campanhas eleitorais

188
O candidato à presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a candidata à vice-presidente, Cristina Fernández de Kirchner. Foto: Divulgação/ Campanha Alberto Fernández

Por Cristiana Euclydes

São Paulo – Os candidatos à presidência da Argentina encerraram suas campanhas antes das eleições gerais do próximo domingo, em um contexto de recessão econômica severa e um ambiente político polarizado. As informações são da agência de notícias “Sputnik”.

“Vamos todos fazer da Argentina o que merecemos”, disse o peronista Alberto Fernández com sua parceira de coalizão, a ex-presidente e senadora Cristina Fernández de Kirchner.

Líder da aliança de oposição Frente de Todos, Fernández não poupou críticas contra o atual presidente do país, Mauricio Macri, indicando que durante seu governo eles fecharam “43 pequenas e médias empresas por dia”.

“Tudo isso aconteceu com um governo que não cansou de deixou os bancos ficarem ricos enquanto toda a Argentina ficou empobrecida”, disse ele da cidade balneária de Mar del Plata, na província de Buenos Aires.

Ao dar por certo que assumirá a presidência a partir de 10 de dezembro, o líder peronista prometeu “tirar do lugar no qual ficaram cinco milhões de pobres que Macri deixou”, disse ele.

Fernández – chefe de gabinete nos quatro anos de presidência de Néstor Kirchner, que morreu em 2010, e nos sete meses iniciais da gestão de Cristina Kirchner – disse que em sua campanha “assinamos um contrato moral e ético para ser a Argentina que cuida dos sem posse, dos esquecidos e que volta a crescer”.

Durante seu discurso, não faltaram promessas de unir todos os argentinos, independentemente das preferências do partido. “Vamos convocar todos os argentinos, não vamos perguntar de onde eles vêm, vamos perguntar se eles querem ir para o mesmo lugar que queremos”, disse ele.

Já Cristina Kirchner apresentou Fernández como “o chefe do gabinete do governo que reestruturou a dívida e o que pagou a dívida acumulada desde 1957 ao Fundo Monetário Internacional (FMI)”. A ex-presidente também afirmou que esse ato não representava um encerramento de campanha, pois na verdade estavam “fechando um ciclo histórico, para que sua terra natal nunca mais caísse nas mãos do neoliberalismo”.

ELEIÇÃO HISTÓRICA

O presidente da Argentina, Maurício Macri. Foto: Divulgação/ Casa Rosada

O presidente Mauricio Macri, que busca sua reeleição por mais quatro anos, deu como certo que haverá um segundo turno entre ele e seu principal rival em 24 de novembro e pediu que no próximo domingo seja “a eleição com maior participação desde 1983”.

Com o apelo à votação maciça, o presidente tenta neutralizar a vantagem de mais de 15 pontos percentuais (pp) que Alberto Fernández conquistou nas eleições primárias de 11 de agosto. Ante centenas de milhares de pessoas que compareceram ao ato oficial da cidade de Córdoba, o presidente dedicou grande parte de seu discurso para fazer acusações contra o governo anterior.

“Somos uma grande maioria que durante muitos anos ficamos em silêncio, até com medo, olhando para a política de longe, e isso foi um grande erro, porque deixamos um espaço vazio e foi ocupado por aqueles que se encarregaram do poder, de acreditar que são donos do Estado e se animaram a dizer ‘vamos por tudo'”, disse ele, em clara alusão a Cristina Kirchner.

Eles tentaram “ir por nossa liberdade”, acrescentou com ênfase. Acompanhado por seu candidato a vice-presidente, o peronista Miguel Ángel Pichetto, Macri reconheceu que durante seu governo atual havia “problemas mais profundos do que imaginávamos” e que “levava mais tempo do que pensávamos [para resolvê-los]”.

Por isso, ele advertiu seus seguidores a não “cair em miragens daqueles que nos decepcionaram tantas vezes por tantos anos”. “Sim, você pode mudar essa eleição”, ele gritou em uma das etapas finais de seu discurso.

Nas eleições do próximo domingo será eleito presidente diretamente quem
obtiver pelo menos 45% dos votos ou atingir 40% e uma diferença superior a 10 pp sobre o segundo candidato mais votado. Se esses requisitos não forem atendidos, a Argentina retornará às urnas para eleger seu presidente entre os dois candidatos mais votados do primeiro turno, em uma votação a ser realizada em 24 de novembro.