Reino Unido autoriza vacina produzida por AstraZeneca e Oxford

219
Foto: União Europeia (UE)

São Paulo – O Reino Unido autorizou a vacina contra covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford junto à farmacêutica AstraZeneca. Com isso, as doses começam a ser distribuídas pelo país, que deve iniciar as vacinações logo após o Ano-Novo, enquanto uma variante mais infecciosa do coronavírus circula pela nação.

Até agora, a única vacina aprovada em território britânico havia sido a produzida pela Pfizer em parceria com a BioNTech. Segundo estatísticas do governo, 600 mil já receberam a primeira dose dessa injeção desde 8 de dezembro.

A AstraZeneca informou em comunicado que “pretende fornecer milhões de doses no primeiro trimestre” como parte de seu acordo com o governo do Reino Unido para fornecer até 100 milhões de doses no total. Como uma vacina de duas doses, o acordo significa que até 50 milhões de pessoas no Reino Unido, que tem uma população de cerca de 66 milhões, poderiam ser inoculadas.

No entanto, o governo do Reino Unido disse em um comunicado que o Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização, que o aconselha sobre programas de imunização, recomendou que a “prioridade deveria ser dar a primeira dose ao maior número de pessoas em grupos de risco, ao invés de fornecendo as duas doses necessárias no menor tempo possível.”

“Todos ainda receberão sua segunda dose e isso ocorrerá 12 semanas após a primeira. A segunda dose completa a medida e é importante para proteção de longo prazo “, acrescentou.

Os casos aumentaram em Londres e no sul da Inglaterra, com pressão significativa sobre os hospitais, levando o governo a instalar bloqueios mais restritos por todo o país. Uma nova variante do coronavírus encontrada no Reino Unido é supostamente mais transmissível e levou a restrições de viagem para pessoas que desejam deixar o país.

A vacina da AstraZeneca é uma inoculação de vetor viral baseada em uma versão enfraquecida de um vírus de resfriado comum que causa infecções em chimpanzés. Ele é projetado para preparar o sistema imunológico para atacar o coronavírus, conhecido como SARS-CoV-2, se posteriormente infectar o corpo.

Uma confusão em torno de seus dados de teste em novembro levou a algumas críticas à AstraZeneca. Os números iniciais sugeriram que a vacina poderia ajudar a reduzir a propagação da covid-19, bem como prevenir sintomas piores e morte. Esse estudo também descobriu que a injeção tinha uma eficácia de 62% para os participantes do ensaio que receberam duas doses completas, mas 90% para um subgrupo que recebeu meia dose seguida de uma dose completa.

O chefe da Operação Warp Speed outros nos Estados Unidos expressaram preocupação com a faixa etária testada, dizendo que a eficácia de 90% foi demonstrada apenas para o grupo de menor risco, que totalizou 2.741 pessoas com menos de 55 anos.

A AstraZeneca disse que “dados adicionais de segurança e eficácia para a vacina continuarão a se acumular a partir de testes clínicos em andamento”. A empresa acrescentou que continua a trabalhar com as autoridades regulatórias em todo o mundo “para apoiar suas análises contínuas para fornecimento de emergência ou autorização de comercialização condicional durante a crise de saúde”.