RADAR DO DIA: Ata do Copom; Inflação nos EUA; Serviços no Brasil

89

São Paulo, SP – Os índices futuros americanos e as bolsas europeias abriram em instabilidade. Na manhã de hoje foi divulgada a ata da última reunião do Comitê de Política
Monetária do Banco Central (Copom), realizada na semana passada, na qual os juros recuo 0,25 ponto percentual, interrompendo uma sequência de seis cortes de 0,50 ponto
percentual. Com isso, a Selic passou para 10,50% ao ano. Na ocasião, 5 membros votaram pelo aumento de 0,25 p.p. e outros quatro pelo corte de 0,50 p.p. O desempate veio com o voto do presidente do BC, Roberto Campos Neto.

Na ata, os membros que votaram por um corte maior enfatizaram a necessidade de flexibilidade das decisões nas reuniões a partir de junho, o que permitiria, “à luz de novo conjunto de informação, calibrar a trajetória do instrumento de política monetária da forma apropriada”. Apesar disso, esses membros questionaram se o cenário prospectivo divergiu significativamente do que era esperado a ponto de valer o custo reputacional de não seguir o guidance, o que poderia levar a uma redução do poder das comunicações formais do Comitê.

Hoje também será divulgado o resultado do setor de Serviços em março. Segundo o Termômetro CMA, o setor deve recuar 0,15% em comparação a fevereiro. No comparativo com o mesmo período de 2023, é projetado uma queda de 2,10%. As previsões de seis instituições financeiras consultadas para o resultado mensal variam entre -0,30% e -+0,40%, com a média das projeções em -0,08%. Na comparação com fevereiro do ano anterior, as previsões de seis “casas” consultadas variam entre -3,70% e -1,80% (média em -2,40%).

Nos Estados Unidos, a expectativa fica com os números do índice de preços ao produtos (PPI, na sigla em inglês) de abril, hoje (14), e com o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), na quarta-feira (15), nos Estados Unidos. Em março, o CPI foi de 0,4%, acima da previsão de 0,3%. A expectativa para abril é uma elevação de 0,4%. A taxa anual de inflação do núcleo do CPI permaneceu inalterada em 3,8%, em março. A taxa do CPI geral recuperou passou de 3,2% para 3,5%, e deverá receber impulso mais significativo da ressurgência dos preços da energia em abril. Já o PPI subiu 0,2% em março na comparação com o mês anterior, após a alta de 0,6% em fevereiro. Já em base anual, o PPI de março ficou em 2,1%, abaixo dos 2,2% previstos.

No início de maio, o Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA) manteve os juros no intervalo de 5,25% a 5,50%. A decisão foi unânime. Com isso, a taxa de juros permanece no mesmo patamar desde julho de 2023. Na última sexta-feira (10), a diretora do Fed, Michelle Bowman, disse que não espera que seja apropriado para o banco central cortar as taxas de juros em 2024, apontando para a persistente inflação nos primeiros meses do ano. “Após três ou quatro meses de decepções com a inflação, acredito que levaria um período prolongado de tempo antes de ter confiança de que a inflação está retornando à meta de 2%, uma condição prévia para cortes”, comentou Bowman.

A temporada de balanços do primeiro trimestre de 2024 está chegando ao fim. Hoje será a vez da JBS, Bradespar, Eneva, Marfrig e Gol.

No setor corporativo, A Petrobras divulgou o balanço do primeiro trimestre de 2024 (1T24), com lucro líquido atribuído aos acionistas de R$ 23,7 bilhões, queda de 37,9%, na comparação com mesmo período do ano anterior (1T23). Em relação ao ultimo trimestre do ano passado (4T23), o lucro líquido recuou 23,7%. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (ebitda, na sigla em inglês) ajustado foi de R$ 60 bilhões, queda de 17,2% em relação ao primeiro trimestre de 2023. Em relação ao ultimo trimestre do ano passado, o Ebitda ajustado recuou 10,2%. O recuou é reflexo de menores volumes de vendas de óleo e derivados e pela redução no preço do petróleo e na margem de diesel. Esses efeitos foram parcialmente compensados pelas menores despesas operacionais, com destaque para o resultado com abandono de áreas ocorrido no 4T23.

A Petrobras informou que seu Conselho de Administração aprovou o pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) intercalares no valor de R$ 13,45 bilhões, equivalente a R$ 1,04161205 por ação ordinária e preferencial em circulação, como antecipação da remuneração aos acionistas relativa ao exercício de 2024, declarada com base no balanço de 31 de março de 2024.

A Hapvida divulgou o balanço do primeiro trimestre de 2024 (1T24), com lucro líquido de R$ 83,4 milhões, revertendo o prejuízo líquido de R$ 341,6 milhões do mesmo período do ano passado (1T23). No quarto trimestre de 2023, o prejuízo foi de R$ 29,9 milhões. O lucro antes juros, impostos, de reciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 1 bilhão, alta de 59,4% em relação ao 1T23. Em relação ao último trimestre de 2023, o Ebitda cresceu 6,5%. Já a margem Ebitda foi de 14,5%, alta de 5,1 pontos percentuais na comparação com o mesmo período de 2023. Em relação ao 4T23, a margem Ebitda cresceu 0,8 pnto percentual.

A IRB Brasil divulgou o balanço do primeiro trimestre de 2024 (1T24), com lucro líquido de R$ 79 milhões, alta de 825% em relação ao mesmo período de 2023. O resultado de subscrição (underwritting) foi de R$ 122,4 milhões, alta de 250% na comparação com o 1T23. O total de prêmios emitidos foi de R$ 1,4 bilhão, queda de 9,1% na comparação anual. O índice de sinistralidade recuou 19,1 p.p., passando de 77,3% para 58,2%.

A Itaúsa divulgou o balanço do primeiro trimestre de 2024 (1T24), com lucro líquido recorrente de R$ 3,5 bilhões, alta de 38,1% em relação ao mesmo período de 2023. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) recorrente avançou 3,4 pontos percentuais, fechando a 17,6%.

A Raízen divulgou o balanço do quarto trimestre (Safra 2023/24), com prejuízo líquido ajustado de R$ 178 milhões, revertendo o lucro líquido ajustado de R$ 2,5 bilhões registrado no mesmo período do ano passado. A receita líquida foi de R$ 53,5 bilhões, queda de 2,3% em relação ao 4T23. O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado foi de R$ 3,7 bilhões, queda de 37,7% em comparação ao 4T23.