Prejuízo da Embraer continua aumentando trimestre a trimestre

164
Divulgação: Embraer jato E195-E2

São Paulo – A fabricante de aeronaves Embraer reportou prejuízo líquido ajustado de R$ 1,071 bilhão no segundo trimestre deste ano, uma alta de mais de 18 vezes em comparação ao prejuízo visto no período de 2019.

A receita líquida da companhia totalizou R$ 2,864 bilhões no período, queda de 47% na base anual de comparação, impactada pelas quedas nas entregas da Aviação Executiva e especialmente da Aviação Comercial e com uma menor queda na receita dos negócios de Aviação Executiva, Defesa & Segurança e de Serviços & Suporte.

O ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ficou negativo R$ 624,4 milhões no segundo trimestre de 2020, revertendo o valor positivo de R$ 259,6 milhões na comparação anual. O ebitda, por sua vez, ficou negativo em R$ 1,150 bilhão no período, revertendo o valor positivo na mesma base de comparação.

No período, a geração de caixa livre ajustado ficou negativo em R$ 2,533 bilhões, enquanto a dívida líquida era de R$ 9,860 bilhões no trimestre, mais de duas vezes superior ante o mesmo trimestre de 2019.

Por segmento, a divisão de Aviação Comercial registrou receita líquida de R$ 563,9 milhões, queda de 77,1% na comparação anual, enquanto a Aviação Executiva caiu 31,3% e somou R$ 797,3 milhões na mesma base de comparação.

A área de Defesa & Segurança, por sua vez, obteve receita líquida de R$ 463,3 milhões no segundo trimestre, queda de 16,3% ante igual período do ano anterior. A divisão de Serviços & Suporte teve queda de 14,7% na receita, para R$ 1,034 bilhão, e o segmento Outros somou R$ 5,5 milhões.

A empresa fechou o trimestre com um caixa de R$ 10,9 bilhões, sendo que grande parte da dívida vence a partir de 2022. No trimestre, a Embraer finalizou os contratos para capital de giro e financiamento no Brasil e nos Estados Unidos, adicionando um total de até US$ 700 milhões à sua liquidez total.

Segundo a fabricante, os desembolsos dessas novas linhas devem ser concluídos no terceiro trimestre do ano, reforçando a posição de caixa a partir do segundo semestre de 2020 e até 2021.

Devido às incertezas relacionadas à pandemia, as estimativas financeiras e de entregas para 2020 permanecem suspensas.