Moody’s rebaixa ratings da Gol para Ca, de Caa2, após Chapter 11; perspectiva é negativa

170

São Paulo, 31 de janeiro de 2024 – A agência de classificação de risco Moody’s rebaixou hoje o rating corporativo familiar (CFR) da Gol Linhas Aéreas Inteligentes S.A. (Gol) para Ca, de Caa2. Ao mesmo tempo, a Moody’s rebaixou para Ca de Caa2 o rating das notas garantidas emitidas pela Gol Finance (LuxCo) e para Ca de Caa3 o rating das notas seniores sem garantia emitidas pela Gol Finance e GOL Equity Finance, todas garantidas incondicionalmente por Gol e Gol Linhas Aéreas S.A. A perspectiva é negativa. Segundo a agência, o rebaixamento segue o anúncio de que a empresa entrou com pedido de proteção voluntária sob o processo de reorganização financeira do Capítulo 11 dos EUA e a visão da Moody’s de alguma perspectiva de recuperação para credores garantidos e não garantidos existentes.

“O CFR, o rating garantido e o rating não garantido foram equalizados no mesmo nível, refletindo a suspensão automática para todas as classes de dívida e a visão da Moody’s de que as perspectivas de recuperação poderiam variar entre classes de dívida semelhantes. A perspectiva negativa reflete a visão da Moody’s de um período de recuperação prolongado para a Gol como parte da reorganização e sua flexibilidade financeira limitada, o que poderia levar a perdas maiores do que o esperado para credores garantidos e não garantidos”, explica a Moody’s, em sua nota.

Após as ações de hoje, os ratings da Gol, GOL Equity Finance, Gol Finance e Gol Finance (LuxCo) serão retirados em breve como consequência do pedido do Chapter 11.

“O pedido do Capítulo 11 é resultado de uma queima de caixa acumulada e da alta alavancagem financeira da Gol derivada das altas taxas de juros, da paralisação das aeronaves Boeing MAX em 2019 e da pandemia, que levou a um enfraquecimento do perfil de liquidez e a uma estrutura de capital insustentável. Ao final de dezembro de 2023, a Gol tinha US$ 8,3 bilhões em passivos totais e US$ 4,2 bilhões em dívidas financeiras (incluindo obrigações de leasing), das quais US$ 2,1 bilhões estão garantidas”, diz a agência, ao detalhar o endividamento da aérea.

Com a reorganização financeira do Capítulo 11, a Gol espera fortalecer sua posição financeira, mantendo o atual porte de suas operações. A empresa garantiu US$ 950 milhões em um financiamento DIP para continuar operando durante o processo de reorganização, concedido pelos credores de sua controladora Abra Group Limited (detentores de títulos da Abra). A empresa obteve suspensão automática durante uma audiência de primeiro dia no Tribunal de Falências do Distrito Sul de Nova York e teve audiências para garantir o financiamento DIP, acrescenta a agência.

Nos termos do Capítulo 11, a Gol continuará renovando sua frota, devolvendo aeronaves mais antigas que estão paralisadas e recebendo aeronaves de nova geração. A companhia aérea manterá o cronograma de recebimento de novas aeronaves atrasadas em 2023 e com entrega prevista para 2024.