MERCADO AGORA: Veja um sumário dos negócios até o momento

Gráfico

São Paulo – O Ibovespa opera com volatilidade entre altas e baixas, o mesmo movimento da abertura da véspera. No pregão de hoje, a Bolsa abriu em alta, mas em menos de meia hora de negócios mudou de direção e passou a registrar queda.

Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em queda de 0,04%, aos 122.877,37 pontos. O volume financeiro do mercado era de aproximadamente R$ 13,6 bilhões. No mercado futuro, o contrato de Ibovespa com vencimento em junho de 2021 apresentava avanço de 0,04%, aos 123.070 pontos.

Para o analista José Costa Gonçalves, da Codepe Corretora, a Bolsa ainda está sem um rumo definido. “O mercado está meio de lado, sem direção porque ainda é muito cedo”, afirma.

O analista da Codepe comenta que “não há nenhuma notícia de impacto, mas os investidores estão com um olho no mercado e outro na CPI da covid”.

Gonçalves acredita que “as commodities vão dar o norte para o mercado” Hoje, os futuros de minério de ferro na China fecharam em alta de 4% em meio às fortes margens de lucros em usinas siderúrgicas.

Na avaliação de Rodrigo Friedrich, sócio da Renova Invest, a Bolsa deve subir no pregão de hoje porque “as ações ligadas às commodities tendem a performar hoje novamente e puxar o índice”, afirma. O minério de ferro subiu mais de 21% nos últimos 30 dias, comentou Friedrich.

No Brasil, os investidores ficam atentos ao depoimento do ex-ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid, no Senado, que iniciou às 9 horas da manhã. Amanhã será ouvido o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

No radar do mercado também está a Medida Provisória (MP) sobre a privatização da Eletrobras, que deve perder mais de R$40 bilhões em recebíveis com as alterações. Os do governo se articulam para votar a MP entre hoje e amanhã. “A versão final foi lapidada, mas não como o governo esperava e as ações da estatal caíram muito ontem, depois se recuperaram no final do pregão”, pontou o sócio da Renova Invest.

As reformas administrativa e tributária também estão no foco dos investidores. O presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) deve apresentar mais informações sobre o plano de fatiamento para a reforma tributária ainda esta semana.

Em relação à administrativa, ontem o relator Darci Matos (PSD-SC) leu seu parecer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Ele vetou a possibilidade de autarquia ser extinta e permitiu atividade remunerada para servidores.

O dólar comercial oscila forte frente ao real e agora, opera em queda abaixo dos R$ 5,25, após visitar os campos positivo e negativo, em linha com o exterior, onde a moeda norte-americana passou a ganhar terreno em relação à parte de divisas emergentes e ligadas às commodities. No cenário doméstico, investidores acompanham o depoimento do ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga os gastos do governo no combate à pandemia de covid-19.

Por volta das 13h30, o dólar comercial registrava queda de 0,30%, cotado a R$ 5,2500 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em junho de 2021 apresentava recuo de 0,53%, cotado a R$ 5,255.

“A moeda oscila em leve alta e leve baixa acompanhando algumas divisas commodities que perdem para o dólar, como o peso mexicano. Mas o fluxo está equilibrado em um dia morno para o câmbio. Se [o dólar] cai um pouco, entra importador e quando sobe, entra exportador”, explica o diretor superintendente de câmbio da Correparti, Jefferson Rugik, destacando que a cotação da moeda também “se ajusta” após as quedas recentes.

Sobre o depoimento de Araújo na CPI da covid-19, Rugik acrescenta que faz preço “moderadamente”, com o mercado doméstico à espera do depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, amanhã. “Provavelmente, deverá fazer mais preço”, acrescenta.

As taxas dos contratos futuros de Depósito Interfinanceiro (DI) operam em alta com os investidores estão de olho no depoimento do ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga os gastos do governo no combate à pandemia de covid-19. O dólar passou a cair, mas as taxas não acompanharam a virada no mercado de câmbio.

Por volta das 13h30, o DI para janeiro de 2022 tinha taxa de 4,965%, de 4,94% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 6,805%, de 6,73% o DI para janeiro de 2025 ia a 8,28%, de 8,19% na véspera; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 8,85%, de 8,77%, na mesma comparação.