MERCADO AGORA: Veja um resumo dos negócios até o momento

São Paulo – O Ibovespa já abriu em forte alta acompanhando os ganhos expressivos de seus pares no exterior com otimismo sobre uma possível vacina contra o coronavírus, a volta de atividades em alguns países e declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell.

Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o Ibovespa registrava alta de 3,29%, aos 80.186,51 pontos. O volume financeiro do mercado era de aproximadamente R$ 19,3 bilhões. No mercado futuro, o contrato de Ibovespa com vencimento em junho de 2020 apresentava avanço de 3,46%, aos 80.285 pontos.

“Há várias notícias bem positivas, várias empresas têm relatado avanços em relação a vacinas”, disse o sócio da Critéria Investimentos, Vitor Miziara. Nesta manhã, a Moderna Inc. anunciou que seres humanos produziram respostas imunes a uma vacina candidata ao covid-19, na sua primeira fase de testes, o que a empresa disse ser um sinal positivo.

A novidade fez as ações da Moderna saltarem 26% no pré-mercado, levando o otimismo para todos os índices norte-americanos, que acabaram de abrir em fortes altas. Bolsas europeias também avançam mais de 2%.

Além da notícia sobre a vacina, já havia maior otimismo com alguns países reabrindo negócios conforme ocorre uma redução de novos casos de coronavírus, além de o presidente do Fed ter dito, em entrevista no fim de semana, que há mais ferramentas para ajudar a recuperação da economia. Powell afirmou que o risco é grande para a economia no longo prazo em função da pandemia, mas que há “ferramentas para limitar estes danos de longo prazo, continuando a prover apoio a famílias e empresas”.

Entre as ações, as ligadas as commodities, como as da Petrobras e das da Vale, estão entre as maiores altas do índice, já que os preços do petróleo e do minério de ferro têm forte valorização em meio ao otimismo no exterior. A Vale também informou que retomou as operações de carregamento em seu centro de distribuição na Malásia no último dia 16 de maio. As operações estavam interrompidas desde 24 de março em função da pandemia do novo coronavírus.

Na cena doméstica, alguns analistas alertam, porém, que o ambiente político segue conturbado e ainda pode trazer volatilidade, assim como o vencimento de opções sobre ações hoje.

A novidade é a denúncia do empresário Paulo Marinho, que afirmou ao jornal “Folha de S.Paulo” de que a Polícia Federal (PF) segurou uma operação para não prejudicar a candidatura de Jair Bolsonaro à presidência. O senador Flávio Bolsonaro teria sido avisado da existência de uma operação que o envolveria entre o primeiro e segundo turno das eleições de 2018.

O dólar comercial tem queda firme frente ao real seguindo o dia mais positivo no exterior com investidores em busca de risco após o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) afirmar no fim de semana que a autoridade monetária tem munição para proteger a economia dos Estados Unidos. Além disso, notícias sobre a pesquisa de uma vacina para o combate do novo coronavírus anima o mercado.

Por volta das 13h30, o dólar comercial registrava queda de 1,96%, sendo negociado a R$ 5,7260 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em junho de 2020 apresentava recuo de 2,25%, cotado a R$ 5,729.

O analista da corretora Mirae Asset, Pedro Galdi, ressalta que a sessão mais positiva no movimento é sustentada pela entrevista dada ontem à um canal de TV dos Estados Unidos pelo presidente do Fed, Jerome Powell.

“Apesar de alertar sobre os estragos que a pandemia do novo coronavírus causará ao país, Powell enfatizou sobre a capacidade dos Estados Unidos se recuperar mais à frente. Por outro lado, cresce o otimismo com algumas economias da Europa saindo do isolamento”, comenta.

O otimismo vem também da notícia de que testes da farmacêutica Moderna Inc. em humanos de uma vacina candidata ao combate do covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, produziram respostas imunes que a empresa disse serem um sinal positivo do potencial da vacina para prevenir a infecção do coronavírus.

As taxas dos contratos futuros de Depósito Interfinanceiro (DI) seguem operando em queda na manhã de hoje acompanhando o bom humor no cenário externo, que traz o dólar comercial para a casa de R$ 5,75. Entretanto, ainda há receios com a cena política local, o que deixa os investidores com um pé atrás.

Às 13h30, o DI para janeiro de 2021 tinha taxa de 2,530%, de 2,56% no ajuste do último pregão; o DI para janeiro de 2022 estava em 3,42%, de 3,51% após o ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 4,60%, de 4,72%; e o DI para janeiro de 2025 tinha taxa de 6,58%, de 6,71%, na mesma comparação.