IPCA-15 desacelera, mas registra a maior taxa para janeiro desde 2016

283

São Paulo – A prévia da inflação oficial no país, medida pelo Indice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15(IPCA-15), subiu 0,71% em janeiro, desacelerando-se em relação à alta de 1,05% em dezembro. Ainda assim, trata-se do maior resultado para o mês desde 2016 (+0,92%). O resultado ficou praticamente em linha com a mediana das expectativas do mercado financeiro, de +0,70%, conforme o Termômetro CMA.

Com isso, o IPCA-15 acumula alta de 4,34% nos últimos 12 meses, até este mês. O resultado no período de 12 meses também ficou praticamente alinhado à mediana das estimativas, de +4,33%, ainda segundo o Termômetro CMA. As informações foram divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o instituto, dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, sete apresentaram alta, na passagem de dezembro para janeiro, sendo que a maior variação de preços ficou com Alimentação (+1,83%), representando também o maior impacto no IPCA-15 do período, com +0,45 ponto percentual (pp).

Nessa classe de despesa, destaque para a alta em alimentação em domicílio (de +3,62% para +2,30%), cuja alta reflete a desaceleração das carnes (de +17,71% para +4,83%). Ainda assim, o item foi responsável pela maior contribuição individual no IPCA-15 de janeiro, com 0,15 p.p. No lado das quedas, o destaque ficou com a cebola, com -5,43% de variação e impacto de -0,01 pp no resultado do mês.

Ainda entre os grupos pesquisados, a segunda maior contribuição ficou com Transportes (+0,92% e +0,17 pp), com destaque para a alta em gasolina (+2,64%), que representou o segundo maior impacto individual no IPCA-15 do mês, +0,11 pp. No lado das quedas, destaque para o grupo Habitação (-0,14% e -0,02 pp), em meio à queda no custo da energia elétrica (-2,11%), que apresentou o maior alívio individual (-0,08 pp) no IPCA-15.

Quanto aos índices regionais, todas as regiões pesquisadas apresentaram alta na passagem de dezembro para janeiro. O maior resultado foi observado na região metropolitana de Belém (1,13%), influenciado pela alta do frango inteiro (9,12%). Já o menor índice foi registrado em Brasília (0,29%), por conta da queda verificada nos preços das passagens aéreas (-7,69%).

O IPCA-15 é calculado com base em famílias com rendimentos de 1 a 40 salários e que vivem nas principais regiões metropolitanas do país, além de Brasília e Goiânia. Para o cálculo do indicador, os preços foram coletados no período de 12 de dezembro a 14 de janeiro.

O resultado divulgado hoje foi o último feito a partir da cesta de produtos e serviços que compõem a inflação em vigor desde 2012. Com os resultados da última Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), realizada entre 2017 e 2018, os componentes do índice foram alterados para acompanhar as mudanças nos hábitos de consumo da população. A partir de fevereiro, a inflação oficial começa a ser divulgada com base nessa nova cesta de produtos e serviços, que incluem 56 novos elementos.