Fitch eleva rating da JBS para BBB-, grau de investimento

JBS EUA, JBS, planta EUA, frigorífico
Foto: JBS/Divulgação

São Paulo – A agência de classificação de risco Fitch Ratings elevou a nota da crédito da JBS para ‘BBB’ – avaliação que é considerada grau de investimento-, de ‘BB+’, com perspectiva estável, para refletir o forte perfil de negócios, baixa alavancagem, forte liquidez e geração de caixa positiva, perfil de amortização de dívida favorável, histórico de acesso ao mercado internacional e o recente acordo firmado por sua controladora J&F com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Os ratings continuam limitados por sua estrutura de governança corporativa e concentração de propriedade, disse a Fitch, em nota.

A agência estima que a alavancagem da companhia permaneça abaixo de 2 vezes em 2021, com crescimento das vendas e ebitda resultantes de um forte desempenho nas operações nos Estados Unidos, especialmente em carne bovina, além de suporte da forte demanda na Ásia. Esses fatores podem ser impactados por alto custo de gado no Brasil e de mão de obra nos Estados Unidos.

A posição de liderança da companhia e diversificação geográfica podem compensar os riscos ocasionados por ciclos produtivos, restrições de importação e riscos sanitários e reduzir impactos negativos sociais e ambientais como o de desmatamento da Amazônia.

Os ratings da JBS permanecem limitados por sua estrutura de governança corporativa e concentração acionária com seu principal acionista (J&F), que detém 38% das ações da empresa.

“A J&F é controlada pela família Batista, que continua envolvida na gestão do grupo nos níveis de administração e operacional, e define o direcionamento estratégico da empresa”, diz a nota.

A agência lembra que em 14 de outubro de 2020, a J&F chegou a um acordo judicial com o Departamento de Justiça norte-americano, que exigia que a J&F fizesse um pagamento de US$ 128,2 milhões para resolver as violações associadas à Lei de Práticas e Corrupção Estrangeira, mas que eles ainda estão sujeitos a investigações em andamento pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e processos criminais por supostas violações dos valores mobiliários brasileiros e da legislação societária.