BCE deve reagir a altas recentes de juros de títulos, diz Villeroy

Presidente do Banco da França, François Villeroy de Galhau / Foto: Banco da França

São Paulo – O Banco Central Europeu (BCE) pode e deve reagir aos aumentos recentes nos juros projetados por títulos, e permanece pronto para ajustar seus instrumentos, se necessário, disse o integrante do Conselho da instituição e presidente do Banco da França, François Villeroy de Galhau.

O recente aperto das condições de financiamento tem muitos elementos, “incluindo contornos excessivos e tensões nos prêmios de prazo”, disse ele em texto preparado para discurso em um evento ontem.

“Na medida em que este aperto é injustificado, podemos e devemos reagir contra ele, começando com uma flexibilidade ativa no nosso programa de compra de emergência pandêmica (PEPP, na sigla em inglês)”, que começou em março de 2020 e foi ampliado em dezembro, para US$ 1,850 trilhão de euros.

Villeroy disse que o BCE monitora vários indicadores para garantir condições favoráveis de financiamento, citando os recentes aumentos nas taxas de longo prazo e os movimentos nos Estados Unidos. Segundo ele, na zona do euro, há alguns sinais de retomada das expectativas de inflação, que refletem principalmente fatores temporários.

“A economia da zona do euro encontra-se numa situação diferente da dos Estados Unidos”, disse. “Não há risco de superaquecimento na Europa”. Ele reiterou o caráter flexível, simétrico e de médio prazo da meta de inflação do BCE, explicando que estão prontos para aceitar a taxa acima da meta no futuro por algum tempo.

“Para atingir a meta de inflação do BCE, estamos determinados a manter, pelo tempo que for necessário, uma postura monetária bastante acomodatícia”, disse. “Continuamos prontos para ajustar todos os nossos instrumentos, conforme apropriado, incluindo possivelmente uma redução da taxa de depósito, se necessário”. A taxa está hoje em -0,5% ao ano.