Acordo sobre reforma agrícola da UE fracassa e é adiado para final de junho

São Paulo – Os líderes europeus fracassaram em obter um acordo sobre a reforma da Política Agrícola Comum (PAC) da União Europeia (UE) para o período de 2023 a 2027 e deixaram para o final de junho uma nova tentativa de entendimento sobre a questão.

“Estivemos muito perto de chegar a um acordo esta semana. No entanto, estou confiante de que ainda vamos conseguir um compromisso durante a presidência portuguesa da União Europeia”, disse o comissário europeu para a Agricultura, Janusz Wojciechowski, no Twitter.

A proposta da PAC é composta por três pilares: regulamentos dos planos estratégicos, governação horizontal – financiamento, gestão e acompanhamento da PAC – e organização comum do mercado de produtos agrícolas.

A nova PAC deverá começar a ser aplicada em 1 de janeiro de 2023, já com o plano estratégico de cada membro da UE aprovado, vigorando até lá um regime transitório.

Nas discussões desta semana entre as autoridades europeias estavam questões como a percentagem de ajuda que será destinada a eco-esquemas, garantias de que as explorações agrícolas respeitam direitos trabalhistas, reserva de crise e redistribuição mais justa de ajuda federal.

“Queremos fechar um acordo, mas não a qualquer preço”, afirmou a ministra da Agricultura de Portugal, Maria do Céu Antunes, cujo país detém a presidência semestral da UE.