Vendas no varejo crescem pelo 5º mês seguido, diz IBGE

Foto: British Retail Consortium (BRC)

São Paulo, 11 de novembro de 2020 – As vendas do comércio varejista restrito, que excluem veículos e material de construção, subiram pelo quinto mês consecutivo, em +0,6% em setembro em relação a agosto, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado mensal ficou abaixo da previsão, de +1,20%, conforme mediana calculada pelo Termômetro CMA. Já na comparação com agosto de 2019, as vendas no varejo registraram o quarto resultado positivo consecutivo, crescendo +7,3%, também abaixo da previsão de +8,50%.

Até setembro, as vendas do varejo restrito estão estáveis no acumulado do ano, após seis meses no campo negativo, mas têm alta de 0,9% nos últimos 12 meses. Além disso, o comércio varejista teve forte resultado no terceiro trimestre deste ano. Em relação ao período anterior, a alta foi recorde, de +17,2%, enquanto na comparação com igual período de 2019, o aumento é de 6,3%, o maior desde 2014.

Com o resultado de setembro, o varejo brasileiro segue em crescimento, após ter atingido nível recorde em agosto. Porém, a alta mensal em setembro mostra desaceleração no ritmo de alta em relação ao desempenho observado desde maio. “Trata-se de uma diminuição do ritmo de crescimento nos volumes do varejo nacional”, destaca o gerente da pesquisa do IBGE, Cristiano Santos. Para ele, o processo de desaceleração é “natural” e representa uma acomodação. “É como se a série [histórica] estivesse voltando à normalidade, após as quedas muito expressivas de março e abril”, observa.

Em base mensal, cinco das oito atividades pesquisadas registraram alta da atividade, com destaque para livros, jornais, revistas e artigos de papelaria (+8,9%); combustíveis e lubrificantes (+3,1%); e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (+2,1%). Na outra ponta, destaque para a queda em tecidos, vestuário e calçados (-2,4%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,6%).