Usiminas reverte prejuízo e fecha 4° trimestre com lucro líquido de R$ 975 mi

61
Divulgação/CSN

São Paulo, SP – A Usiminas divulgou hoje o balanço do quarto trimestre de 2023, com lucro líquido de R$ 975 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 839 milhões registrado no mesmo período de 2022 No acumulado do ano passado, o lucro líquido foi de R$ 1,6 bilhão, queda de 22% em comparação a 2022.

Segundo a companhia, o resultado é reflexo, principalmente, pela maior recuperabilidade de prejuízos fiscais no valor de R$ 495 milhões, além dos efeitos pontuais em custos e despesas operacionais. A companhia também divulgou suas projeções de investimentos para 2024, que devem ficar entre R$ 1,7 bilhão e R$ 1,9 bilhão.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 625 milhões, alta de 8% em relação ao último trimestre de 2022. Em 2023, o Ebitda ajustado chegou a R$ 1,7 bilhão, queda de 64%, na comparação anual.

A margem EBITDA Ajustado foi de 9,2%, frente à margem de 0,3% negativas no trimestre anterior. Sem os efeitos não recorrentes de R$ 301 milhões, o EBITDA Ajustado seria de
R$ 324 milhões no trimestre

A receita líquida foi de R$ 6,7 bilhões, queda de 11% em relação ao mesmo período de 2022, com aumento na Unidade de Mineração parcialmente compensado por redução na Unidade de Siderurgia. No ano passado, a receita líquida chegou a R$ 27,6 bilhões, queda de 15% em relação a 2022, principalmente por redução na Unidade de Siderurgia.

O Resultado Financeiro em 2023 foi de R$366 milhões, 40,2% inferior ao registrado em 2022 (R$612 milhões), principalmente pelo registro de atualização monetária de indenização recebida de fornecedor em 2022, sem efeito similar em 2023, além de maiores despesas com juros de passivos e fornecedores. O Resultado Financeiro no quarto trimestre de 2023 foi de R$65 milhões positivo, R$163 milhões superior ao resultado apresentado no trimestre anterior (3T23: R$98 milhões negativos), com o registro de ganhos cambiais
líquidos de R$112 milhões, ante perdas líquidas de R$132 milhões registrados no trimestre
anterior.

O custo dos produtos vendidos CPV em 2023 totalizou R$25,9 bilhões, 3,5% inferior à 2022 (R$26,8 bilhões), com redução na Unidade de Siderurgia. As variações são explicadas nas seções das Unidades de Negócios neste documento.

Em 2023, o CAPEX totalizou R$3,0 bilhões, 37,3% superior à 2022 (R$2,2 bilhões), sendo 88,5% na Unidade de Siderurgia, 11,5% na Unidade de Mineração. No 4T23, o CAPEX totalizou R$654 milhões, 26,2% inferior ao 3T23 (R$886 milhões), sendo 80,0% na Unidade de Siderurgia, 20,0% na Unidade de Mineração.

O Caixa e Equivalente de Caixa consolidado em 31/12/23 era de R$6,0 bilhões, superior em 18,5% em comparação com a posição no final de 2022 (31/12/22: R$5,1 bilhões), pela redução de capital de giro em R$3,7 bilhões e geração de EBITDA de R$1,8 bilhão, parcialmente compensado pelo CAPEX de R$3,0 bilhões

A Dívida bruta consolidada em 31/12/23 era R$ 5,9 bilhões, 4,5% inferior à dívida bruta em 31/12/22 (R$ 6,2 bilhões), com o efeito da valorização do real de 7,2% frente ao
dólar no período.

No ano de 2023 o volume de produção totalizou 8,8 milhões de toneladas, se mantendo em linha quando comparado ao ano de 2022 (8,9 milhões de toneladas).

O volume de vendas anual alcançou 9,1 milhões de toneladas, sendo este o recorde anual da Companhia, e superior em 4,8% ao ano anterior (8,6 milhões de toneladas), reduzindo os estoques existentes. No 4T23 o volume de produção foi de 2,3 milhões de toneladas, uma redução de 4,5% em comparação ao 3T23 (2,4 milhões de toneladas), devido à parada temporária da instalação de tratamento de minério Leste e pelo início do período de chuvas. O volume de vendas no 4T23 atingiu 2,4 milhões de toneladas, mesmo volume vendido no 3T23.

A produção de aço bruto na usina de Ipatinga em 2023 foi de 2,1 milhões de toneladas, inferior em 22,1% em relação à 2022 (2,7 milhões de toneladas), consequência da reforma do Alto Forno 3 e Aciaria 2, executadas ao longo de 2023. A produção de laminados nas usinas de Ipatinga e de Cubatão totalizou 4,0 milhões de toneladas em 2023, 4,5% inferior à 2022 (4,2 milhões de toneladas). Em 2023, foram processadas 2,3 milhões de toneladas de placas adquiridas (2022: 1,9 milhão de toneladas).

Em 2023, o volume de vendas totais somou 4,0 milhões de toneladas de aço, 4,3% inferior em relação à 2022 (4,2 milhões de toneladas). No mercado interno, as vendas foram de 3,6 milhões toneladas em 2023, em linha com as vendas de 2022. As exportações em 2023 foram de 382 mil toneladas, 37,3% inferiores à 2022 (609 mil toneladas). O volume de vendas foi 91% destinado ao mercado interno e 9% às exportações (contra 86% e 14% para mercado interno e exportações, respectivamente, em 2022).

DIVIDENDOS

O conselho de administração aprovou, por unanimidade, a proposta da Diretoria, a ser submetida à Assembleia Geral Ordinária, de pagamento de R$ 330,3 milhões de dividendos aos acionistas, correspondente aos valores de R$ 0,25732541629 por ação ON e de R$ 0,28305795791 por ação PN.

O Conselho aprovou ainda propor à Assembleia Geral Ordinária que o pagamento dos dividendos ocorra no dia 24 de junho de 2024. Caso a proposta para destinação dos resultados seja aprovada em Assembleia Geral Ordinária, terão direito aos dividendos acme referidos os acionistas detentores de ações na data da realização da Assembleia Geral Ordinária, prevista para o dia 25.04.2024, sendo que as ações de emissão da companhia passarão a ser negociadas “ex-dividendos” no dia útil seguinte à realização da referida Assembleia.