Setor de serviços no Brasil cresce pela 6ª vez seguida em novembro

147

São Paulo, 13 de janeiro de 2021 – A receita real de serviços, que se refere à evolução do volume da atividade no setor em termos reais, descontada a inflação (deflacionado), cresceu pelo sexto mês seguido, em +2,6% em novembro em relação a outubro, conforme dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No período, o ganho acumulado é de 19,2%, ainda insuficiente para compensar as perdas de fevereiro a maio, com o setor situando-se 3,2% abaixo do nível pré-pandemia.

Já em relação a novembro de 2019, o volume de serviços recuou 4,8%, marcando a nona taxa negativa consecutiva nesse tipo de confronto. Com isso, o setor de serviços acumula quedas de 8,3% em 2020 e de -7,4% nos últimos 12 meses, mantendo a trajetória descendente iniciada em janeiro e seguindo no resultado negativo mais intenso da série para o período de 12 meses.

Na passagem de outubro para novembro, todas as cinco atividades pesquisadas registraram alta, com destaque para transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (+2,4%) e serviços prestados às famílias (+8,2%). Em relação às atividades turísticas, houve alta de 7,6% ainda em base mensal, na sétima taxa positiva seguida.

Já na comparação anual, houve queda em três das cinco atividades pesquisadas, sendo o maior destaque negativo em serviços profissionais, administrativos e complementares (-10,7%), enquanto outros serviço subiram 7,3%. O segmento do turismo desabou 29,6%, na nona queda consecutiva, em base anual.