Segundo dia de realização faz Bolsa cair e dólar subir

487
Foto: Sergio Roberto Bichara / freeimages.com

São Paulo – Após um dia volátil, o Ibovespa fechou em queda de 2,12%, aos 94.685,98 pontos, com investidores embolsando lucros pelo segundo pregão seguido enquanto digerem as sinalizações dadas pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e preferem adotar posições mais cautelosas antes de feriado no Brasil, que manterá a B3 fechada amanhã. O volume total negociado foi de R$ 33,7 bilhões.

O Ibovespa chegou a abrir o pregão em alta, mas logo passou a cair, acompanhando o exterior à espera da decisão do Fed, o grande evento do dia. Os mercados reagiram positivamente à decisão da autoridade monetária de manter a taxa juros e sinalizar que ela ficará perto de zero por um bom tempo. No entanto, o índice voltou a ampliar a queda durante as falas do presidente do Fed, Jerome Powell, e com a cautela adicional trazida pelo feriado.

“As Bolsas melhoraram com o Fed dizendo que vai manter juros baixos por muito tempo e um comunicado considerado ‘dovish’, depois voltaram para o ponto que estavam antes, em meio a alguns sinais mais ‘hawkish’ de Powell. No final, foi uma reunião neutra”, acredita o diretor de investimentos da SEM Asset, Vicente Matheus Zuffo. Para o diretor, chamou a atenção o fato de Powell afirmar que ainda existem diferente visões dentro da autoridade monetária sobre a retomada da economia.

O economista-chefe da Capital Economics (CE), Paul Ashworth, também destacou que o Fed reforçou que continuará tomando medidas e comprando títulos dos EUA (Treasuries), pelo menos no ritmo atual. No entanto, avalia que isso não chega a ser “uma bazuca”, “já que o ritmo das compras do Tesouro diminuiu de um pico de mais de US$ 350 bilhões no final de março, para apenas US$ 20 bilhões nesta semana”.

Entre as ações, as da Petrobras (PETR3 -3,04%; PETR4 -1,65%) fecharam em queda, embora tenham reduziram perdas acompanhando os preços do petróleo. Os papéis de bancos como o Bradesco (BBDC4 -4,22%) e Itaú Unibanco (ITUB4 -4,20%) também recuaram mostrando mais um dia de realização de lucros.

Já as maiores quedas do Ibovespa foram das ações de aviação, como Azul (AZUL4 -8,65%), Gol (GOLL4 -9,37%) e Embraer (EMBR3 -9,31%), que vinham se recuperando nos últimos dias. Apesar das perdas de hoje, a Azul informou que aumentará para 240 o número de decolagens diárias em julho, nos dias de maior demanda, contra a média de 115 decolagens por dia programa para o mês de junho.

Na contramão, as maiores altas do índice foram da B2W (BTOW3 5,39%), do Magazine Luiza (MGLU3 3,04%) e da Totvs (TOTS3 1,75%).

Amanhã não haverá pregão em função de feriado, mas na sexta-feira o índice pode abrir o pregão se ajustando ao movimento das Bolsas no exterior na quinta-feira, quando serão divulgados indicadores como os pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos.

Apesar dos dois últimos dois dias terem sido de queda, analistas seguem vendo uma tendência positiva para o Ibovespa. “Na semana que vem, o Ibovespa já pode retomar a alta, até porque a expectativa é que o Comitê de Política Monetária (Copom) reduza os juros, o que deixa a renda fixa sem atrativo”, disse Zuffo.

O dólar comercial fechou em alta de 0,83% no mercado à vista, cotado a R$ 4,9350 para venda, em sessão de forte volatilidade, mas ganhou impulso na reta final dos negócios reagindo à decisão de política monetária do Fed e às declarações de Powell sobre as condições econômicas e sinais da política monetária no país. Descolado do exterior, a moeda reagiu a uma cautela adicional antes do feriado doméstico, amanhã.

O analista de câmbio da Correparti, Ricardo Gomes Filho, comenta que a sinalização do Fed de que deverá manter a taxa de juros em patamares mais baixos até ao menos 2022, “não serviu” para arrefecer os ânimos dos investidores que reforçaram ainda mais as posições defensivas após Powell citar que o futuro da economia norte-americana ainda é incerto e que o recuo da atividade no segundo semestre deste ano tem potencial para ser o maior já registrado.

“Mesmo a despeito do expressivo resultado do payroll [relatório de empregos do país] na sexta-feira”, comenta o analista. Os números vieram melhores do que o esperado com a taxa de desemprego abaixo do projeto ao redor de 20%. Para a estrategista do banco Ourinvest, Cristiane Quartaroli, o tom de Powell foi de que há uma “grande” preocupação com o mercado de trabalho norte-americano.

“Acho que o Powell se mostrou bem preocupado com isso. Sem emprego não tem renda, não tem consumo e a economia não gira, o que afeta diretamente na retomada da economia. Por outro lado, ele pontou que o banco central tem outros instrumentos para serem usados para contribuir com a retomada do crescimento do país, e não apenas compra de ativos”, diz.

Powell destacou que a compra de títulos pelo Fed reduziu desde março, quando houve uma grande injeção de liquidez, mas que segue em “ritmo mínimo”. Os analistas da Capital Economics ressaltam que a autoridade monetária indicou que deverá comprando esses títulos do Tesouro e de agências, “o que não é uma bazuca”, já que o ritmo das compras diminuiu de um pico de mais de US$ 350 bilhões no fim de março para US$ 20 bilhões nesta semana.

O Fed divulgou ainda as projeções econômicas para os próximos anos no qual estima queda de 6,5% do Produto Interno Bruto ao fim deste ano, porém, altas de 5,0% para 2021 e de 3,5% ao fim de 2022.

“Curiosamente, as estimativas medianas do crescimento econômico de longo prazo e da taxa de juros permaneceram inalteradas, o que sugere que as autoridades do Fed ainda esperam que a pandemia não tenha efeitos permanentes a longo prazo na economia, mesmo que ainda exista algum impacto em 2022”, reforçam os analistas da Capital Economics visto que o banco central norte-americano reiterou que deverá manter a taxa de juros na faixa entre zero e 0,25% por mais dois anos e meio.

Amanhã, com o feriado local, analistas sugerem que, com a agenda de indicadores mais fraca na sexta-feira, o dólar passe por uma correção reagindo à leitura da decisão do Fed lá fora amanhã, além de outras notícias. “Inclusive o local segue no radar, já que a política deu uma sossegada. Acredito que os desdobramentos em relação ao novo coronavírus possam começar a fazer preço por aqui”, diz a profissional do Ourinvest.