RADAR: Mercado ignora pausa em teste da AstraZeneca; atenção a IPCA

148

São Paulo – Depois da onda de vendas que atingiu as bolsas daqui e do exterior ontem, os investidores voltaram a comprar papéis, e a tendência é que hoje o mercado avance, a julgar pelo comportamento das bolsas da Europa e dos futuros dos índices acionários dos Estados Unidos.

A alta ocorre mesmo depois de a AstraZeneca e a Universidade de Oxford interromperem os testes de uma vacina contra a covid-19. A decisão foi tomada após um dos voluntários ficar seriamente doente por motivos desconhecidos.

Esta vacina é tida como uma das mais promissoras no combate à doença e também é a aposta do governo federal para a imunização no Brasil.

Somam-se a esta notícia negativa outras pouco promissoras, como a intenção dos Estados Unidos de aplicar restrições a importações da China e à probabilidade cada vez maior de um divórcio sem acordo entre a União Europeia e o Reino Unido.

No Brasil, o foco estará sobre os dados de inflação de agosto, que ficaram em linha com o previsto – alta de 0,24% em base mensal (ou 0,01 pp abaixo do esperado) e de 2,44% em 12 meses (também 0,01 pp abaixo do previsto).

Também deve chamar a atenção a votação na Câmara dos Deputados sobre a retomada das atividades de algumas comissões importantes para a aprovação de reformas.

A Petrobras começou a fase vinculante referente à venda de 50% a 100% de sua participação na concessão BM-S-51, na Bacia de Santos, no polígono do pré-sal. A oferta havia sido anunciada originalmente em agosto.

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) informou que a gestora BlackRock comprou ações preferenciais da companhia e alcançou participação de 15,20% do total de ações preferenciais.

A Qualicorp negou ter conhecimento de qualquer ato ou fato relevante que justifique oscilações no preço, na quantidade e no número de ações de sua emissão, entre 24 de agosto e 4 de setembro, em resposta a um pedido de esclarecimento sobre movimentações atípicas de ações feito pela B3 na sexta-feira.

O BNDESPar, braço de investimentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), confirmou as informações divulgadas na sexta-feira sobre a intenção de vender a totalidade de ações ordinárias que possui da Suzano, por meio uma oferta pública de distribuição secundária de ações (follow on), e esclareceu não ter divulgado fato relevante sobre a transação.

A Ecorodovias reportou queda de 13,3% no volume de tráfego na base anual. A divulgação semanal de tráfego da Ecorodovias, prática exercida durante o período de crise causado pela pandemia do novo coronavírus, mostra os números consolidados de veículos equivalentes pagantes entre 16 de março e 6 de setembro e o acumulado de 2020. Os resultados estão sujeitos a revisão.

Edição: Gustavo Nicoletta (g.nicoletta@cma.com.br)