RADAR DO DIA: Reunião do G-7, CPI da pandemia e empresas

Foto: energepic.com / Pexels

São Paulo – As bolsas operam em alta no exterior, com investidores novamente inclinados a acreditar nos bancos centrais e na promessa de estímulos monetários contínuos à economia, a despeito da aceleração da inflação em vários países.

Na Ásia, os principais índices do mercado de ações fecharam o último pregão da semana sem direção comum com redução dos temores pela aceleração da inflação antes da decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) da próxima semana.

O foco do mercado hoje será a reunião dos países do G-7. O grupo deve discutir desde assuntos tributários – como um imposto corporativo mínimo – até um plano conjunto para vacinar a população mundial contra a covid-19 – dado que está cada vez mais claro que o problema só tem chance de ser erradicado quando toda a população mundial estiver imunizada.

No Brasil, a CPI da Pandemia ouvirá especialistas que esclarecerão dúvidas do grupo sobre a covid-19, depois de o presidente Jair Bolsonaro ter dito ontem que o govero estuda liberar vacinados e pessoas que já foram infectadas de usar máscara.

Na agenda do dia, destaque para os dados sobre a receita do setor de serviços em abril.

Em âmbito corporativo, o conselho de administração da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) aprovou a emissão de até R$ 1,2 bilhão de debêntures simples, em até três séries.

O conselho de administração da Ambev aprovou o aumento do capital social da companhia em R$ 3,581 milhões, com a emissão de 284.552 novas ações ordinárias.

O conselho de administração da BB Seguridade Participações elegeu Marcelo Lopes Lourenço para o ocupar o cargo de diretor comercial, marketing e clientes, com mandato até 2023.

A Azul emitirá US$ 600 milhões em senior notes, a serem colocados no mercado internacional, com vencimento em 2026 e com uma remuneração de 7,250%, por ano.

O conselho de administração da Ecorodovias aprovou a realização de oferta pública de distribuição primária e secundária de ações da companhia. A oferta consistirá na distribuição pública primária de 137.635.144 novas ações e secundária de até 34.408.768 ações de titularidade da Primav Infraestrutura, controladora da empresa.

A Lojas Americanas e a B2W aprovaram, em assembleias gerais extraordinárias, a cisão parcial do capital social da Lojas Americanas e transferência para a B2W. As atividades operacionais das companhias passarão a ser desenvolvidas diretamente pela B2W, que passará a adotar a denominação Americanas S.A. e o código de negociação na B3 será modificado para AMER3.

Em virtude da aprovação, os conselhos de administração das empresas elegeram para mandato até 2024, os novos diretores executivos Miguel Gomes Pereira Sarmiento Gutierrez, que acumula a presidência e a diretoria de Relações com Investidores, Anna Christina Ramos Saicali, José Timotheo de Barros e Marcio Cruz Meirelles.

A B2W também elegeu, em assembleia geral extraordinária, para compor o conselho de administração da companhia até 2023 e em substituição aos atuais membros titulares: Eduardo Saggioro Garcia, Carlos Alberto da Veiga Sicupira, Cláudio Moniz Barreto Garcia, Paulo Alberto Lemann, Sidney Victor da Costa Breyer, Mauro Muratório Not e Vanessa Claro Lopes.

A Azul vai começar a operar no Amazonas a partir de 3 de agosto, com voos partindo de São Gabriel da Cachoeira à Manaus, e planeja adicionar mais oito destinos no estado no segundo semestre após a conclusão de investimentos em infraestrutura aeroportuária pelo governo federal.

A Petrobras disse que a venda de sua participação remanescente de 37,5% na BR Distribuidora será realizada por meio de uma oferta pública secundária de ações (follow-on) e não por leilão, conforme divulgado na mídia.

A estatal informou que sua subsidiária integral Petrobras Global Finance concluiu a oferta de títulos (global notes) de US$ 1,5 bilhão no exterior, com vencimento em 10 junho de 2051, registrando uma demanda 6,2 vezes superior à oferta e participação de 426 investidores internacionais.

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) informou que o Banco Clássico, por meio do seu fundo exclusivo FIA Dinâmica Energia, adquiriu dois milhões de ações preferenciais e aumentou a participação no seu capital total para 12%, de 10,47%, para diversificar seus investimentos em energia elétrica e infraestrutura do Brasil.

O conselho de administração da Equatorial aprovou a aquisição, por R$ 7,5 milhões, da totalidade das quotas da E-Nova, empresa de energia solar do Maranhão, por sua controlada indireta Equatorial GD.

A CCR, por meio de sua controlada direta MSVia, celebrou com a União, via, Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o primeiro termo aditivo ao contrato de concessão, para estabelecer as obrigações relativas à relicitação do trecho concedido da BR-163 entre a divisa do estado do Mato Grosso e a divisa com o Paraná.