RADAR DO DIA: Emprego recua nos EUA; Senado adia decisão sobre bets

216
Foto: Pexels

São Paulo, SP – Os índices futuros americanos e as bolsas europeias abriram em alta. Após a divulgação do relatório de emprego e vagas (Jolts, na sigla em inglês), que não inclui o setor rural, nos Estados Unidos, o mercado aguarda para hoje os números do relatório nacional de emprego ADP. Na sexta-feira (8), será a vez do relatório de emprego (payroll).

Ontem, o Jolts registrou 8,733 milhões de postos de trabalho abertos no último dia útil de outubro, uma queda em relação aos 9,350 milhões registrados um mês antes (dado revisado). Na semana passada, foi divulgado o número de novos pedidos de seguro-desemprego nos EUA, que recuou em 7 mil, chegando a 218 mil na semana encerrada em 25 de novembro.

Os números deixam claro que há um desaquecimento do mercado de trabalho, o que é positivo aos olhos do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que terá na
próxima semana a última reunião do ano para decidir sobre a taxa de juros no país. O mercado aposta na manutenção do índice e prevê o início de um ciclo de queda dos juros a partir do segundo trimestre de 2024.

Em Brasília, o Senado Federal adiou ontem, pela segunda vez, a votação do PL das Bets, que prevê a taxação de apostas esportivas. O pedido foi feito ao presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), durante a sessão por senadores que afirmaram que o baixo quórum impedia a discussão ampla da proposta. O texto já passou pela Câmara em setembro e aguarda a análise dos senadores.

Ontem, o ministro da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, Alexandre Padilha, afirmou que o governo espera avançar nesta semana, na Câmara, o
projeto de lei (PL) que cria uma modalidade de debêntures voltada para financiar investimentos em infraestrutura, como ferrovias e hidrelétricas. O PL 2646/20, de autoria do deputado João Maia (PL-RN) e outros, foi aprovado na Câmara em 2021, passou pelo Senado, onde sofreu uma série de modificações e, por isso, retornou para a Câmara, que analisará as mudanças feitas pelos senadores.

A Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto de lei complementar que inclui decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) na legislação para isentar de pagamento do ICMS a transferência de produtos entre estabelecimentos de uma mesma empresa. A matéria será enviada à sanção presidencial.

O projeto contou com parecer favorável do relator, deputado Da Vitória (PP-ES). A questão já havia sido julgada em 2017, mas neste ano, após julgar embargos, o Supremo decidiu que as regras sobre o aproveitamento de créditos do ICMS deveriam ser disciplinadas até o fim do ano, senão seriam integralmente aproveitados pelo contribuinte a partir de 2024.

No setor corporativo, a Klabin informou ontem (5) que seu Conselho de Administração aprovou a Política de Hedge Cambial de Fluxo de Caixa, que estabelece parâmetros objetivos para contratação de instrumentos derivativos exclusivamente para fins de proteção da exposição do fluxo de caixa às variações cambiais. Segundo o comunicado, o objetivo dessa política é definir a formula de cálculo da exposição cambial líquida da companhia, estabelecer instrumentos, parâmetros e responsabilidades para a contratação e gestão de instrumentos financeiros derivativos visando, exclusivamente, proteger o fluxo de caixa das variações cambiais e assegurar que o processo de gestão da exposição cambial do fluxo de caixa esteja em conformidade com as demais políticas da companhia e suas diretrizes.

A Braskem informou ontem (5) que, em função da implementação das iniciativas corporativas com foco na disciplina de custos que vem sendo divulgada, cancelou o rating de crédito corporativo em escala global emitido pela Agência de Rating Moody’s. A agência de classificação de risco classificou no final de julho o risco de crédito global da companhia com nota Ba1 e perspectiva estável.

A Weg informou ontem (5) que investirá R$ 1,2 bilhão, ao longo dos próximos três anos, para expansão de capacidade de produção de transformadores no Brasil, México e Colômbia. A companhia prevê iniciativas para aumentar aproximadamente 50% da sua capacidade de produção. No Brasil, os investimentos acontecerão nos parques fabris de Betim e Itajubá, ambos no Estado de Minas Gerais. Em Betim, além da ampliação predial para alocação de novos postos de trabalho de bobinagem, montagem, laboratório e expedição, a companhia também construirá uma nova fábrica dedicada a produção de radiadores com aproximadamente 4.600 m2. Com aporte de aproximadamente R$ 200 milhões, a operação de Betim terá mais de 47.000 m2 de área construída.

A Yara Brasil anunciou um investimento de R$ 90 milhões em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em seu centro de pesquisas da planta de Sumaré (SP). O aporte inclui a substituição de gás natural por biometano para produção de uma linha de fertilizantes foliares (a planta absorve os nutrientes pela folha)

O Brasil, representado pelo Ministério de Minas e Energia, oficializou sua adesão à Aliança Global de Eólicas Offshore (Global Offshore Wind Alliance GOWA). O compromisso foi formalizado durante a Reunião Ministerial da GOWA, que ocorreu nesta terça-feira (5/12), durante a COP 28, em Dubai. União Europeia, Panamá e o estado da Califórnia, dos Estados Unidos, também ingressaram na Aliança nessa mesma ocasião.

A Autoridade Portuária de Santos (APS) informou que a “ameaça de privatização da gestão do Porto de Santos” está oficialmente afastada. Foi publicada, nesta terça-feira (5), no Diário Oficial da União, a Resolução CPPI 291, de 22 de novembro de 2023, que revogou a Resolução 246, de 2022, que incluía a gestão dos portos de São Sebastião, da Bahia (Aratu-Candeias e Ilhéus) e de Santos, no Programa Nacional de Desestatização (PND). A concessão parcial dos acessos ao Porto de Santos, de serviços, bem como a ligação seca Santos-Guarujá via túnel, continua autorizada, mas mantendo-se sempre a gestão da autoridade portuária pública.