RADAR: Atenção a recuperação de serviços e de bolsas no exterior

169

São Paulo – Depois de uma semana de perdas intensas, os mercados no exterior devem ter um pregão de recuperação e provocar movimento semelhante no Ibovespa. Nos Estados Unidos, os futuros dos índices de ações operam em alta, impulsionados por resultados mais fortes que o previsto divulgados pela Oracle, que ajudaram a afastar, ao menos por enquanto, os receios dos investidores com a supervalorização de empresas do setor de tecnologia.

Na Europa, as bolsas operam sem direção comum, atingidas em parte pela possibilidade de o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia terminar mal. Os ingleses querem aprovar um projeto de lei que abre brechas para alterações unilaterais no acordo de separação com os europeus. A União Europeia exigiu que a ideia seja abandonada até o final do mês, mas até agora o governo do Reino Unido ignorou o ultimato.

No Brasil, dados que mostraram recuperação no setor de serviços em julho podem ajudar a alimentar a confiança dos investidores, principalmente depois de números muito melhores do que o previsto divulgados ontem a respeito do desempenho do segmento de varejo no mesmo período.

No entanto, o mercado também pode reagir com preocupação à notícia de que o governo federal, depois de pressionar supermercados para reduzir o preço do arroz, pretende fazer o mesmo com o setor de materiais de construção. Bons negócios.

No âmbito corporativo, o conselho de administração da Vale aprovou o pagamento de remuneração ao acionista no montante total de R$ 2,407 por ação, sendo R$ 1,4102 por ação na forma de dividendos e R$ 0,9973 por ação na forma de juros sobre o capital próprio (JCP).

O BNDESPar, braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), confirmou que pretende vender até 214,3 milhões de debêntures participativas da Vale detidas pela União e pelo próprio banco.

A Suzano emitiu US$ 750 milhões em títulos de dívida com vencimento em 2031 oferecendo aos investidores uma taxa de retorno de 3,95% ao ano. O juro nominal dos papéis é de 3,75%. Os recursos obtidos com a operação serão usados para a recompra de outros títulos de dívida.

A Gasmig, empresa controlada pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), vendeu R$ 850 milhões em títulos de dívida com vencimento em 11 anos e atualização monetária pelo Indice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acrescida de juros remuneratórios de 5,27% ao ano.

A Azul divulgou que em outubro estima operar 505 decolagens diárias nos dias de maior demanda para 89 destinos. A capacidade total representará aproximadamente 55% dos assentos-quilômetros oferecidos no mesmo período do ano passado.

A B3 informou que os investidores especuladores são minoria e o maior crescimento de investidor pessoa física ocorreu em março, com aportes de R$ 500,00 a R$ 10 mil, com várias ações compondo o portfólio, disse Felipe Paiva, diretor de relacionamento com clientes e Pessoas Físicas da empresa.

A Sul América concluiu a aquisição da Paraná Clínicas por R$ 396 milhões, valor que inclui cerca de R$ 9 milhões referentes à aquisição e investimentos em um novo centro médico em construção em São José dos Pinhais, no Paraná.

O Conselho de Administração da Engie aprovou, por unanimidade, a contratação de empréstimo externo e operação de swap e respectiva operação de swap para CDI mais spread, no valor de até US$ 100 milhões.

O Itaú Unibanco lançou uma linha de crédito imobiliário 100% atrelada ao rendimento da poupança e de crédito pessoal com o uso de imóvel financiado como garantia. A companhia também orientou seus acionistas a consultar as informações históricas de recompra de ações próprias para tesouraria disponibilizadas em seu site de relações com investidores e disse que não efetuou transações desse tipo, nem recolocou no mercado ações preferenciais destinadas aos programas de incentivo de longo prazo.