RADAR: Atenção a BRF e Marfrig, Bolsonaro e tensão entre EUA e Europa

160

São Paulo – Os investidores devem começar o dia atentos a notícias sobre o comércio internacional, depois de a Casa Branca decidir manter as tarifas aplicadas a produtos importados de empresas europeias.

A notícia também ajudou a trazer à tona o receio com a revisão do acordo comercial entre Estados Unidos e China, que acontecerá neste fim de semana.

Como consequência, as bolsas no exterior operam em baixa.

Também paira sobre o mercado a preocupação com a falta de acordo entre governo e oposição nos Estados Unidos a respeito de um pacote de ajuda financeira aos norte-americanos.

No Brasil, o mercado pode reagir à sinalização de apoio ao teto de gastos pelo presidente Jair Bolsonaro, feita ontem em conjunto com os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que no entanto aproveitaram a ocasião para cobrar o Planalto sobre o envio da reforma administrativa e de reconhecer o apoio dos congressistas à agenda do governo.

Os investidores também podem reagir a uma reportagem da Folha de São Paulo apontando que a filha de Fabricio Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, repassava parte do salário ao pai enquanto trabalhava para Jair Bolsonaro na época em que o presidente era deputado federal.

Em âmbito corporativo, o lucro da BRF caiu 5,5% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, para R$ 307 milhões, mesmo diante de um aumento de 9,2% na receita líquida, para R$ 9,104 bilhões, refletindo um aumento nas despesas da companhia.

A Transmissora Aliança de Energia Elétrica (Taesa) teve lucro líquido de R$ 437,8 milhões no segundo trimestre, alta de 42,4% ante o mesmo período no ano anterior, refletindo o aumento de 76,8% na receita líquida, para R$ 755,7 milhões.

O conselho de administração da Taesa aprovou a distribuição de um total de R$ 279,3 milhões em proventos – sendo R$ 220,5 milhões em dividendos, ou R$ 0,21339431382 por ação, e R$ 58,7 milhões em juros sobre capital próprio (JCP), ou R$ 0,05685961985 por ação.

O lucro da Eletrobras encolheu 17,3% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, para R$ 4,597 bilhões, apesar de um aumento de 68,1% na receita operacional líquida da companhia, para R$ 11,098 bilhões.

A MRV Engenharia registrou lucro líquido ajustado de R$ 124 milhões no segundo trimestre de 2020, queda de 34,6% em relação aos R$ 190 milhões ao registrados no mesmo período de 2019.

A processadora de alimentos Marfrig registrou lucro líquido de R$ 1,594 bilhão no segundo trimestre deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado, alta de 18,3 vezes. A receita líquida somou R$ 18,881 bilhões no período, aumento de 54%, na mesma base de comparação.

A Ultrapar obteve lucro líquido de R$ 50 milhões no segundo trimestre deste ano, queda de 58,6% em base anual de comparação. O conselho da empresa decidiu suspender o pagamento de dividendos intermediários, aos acionistas, devido às incertezas provocadas pela pandemia do novo coronavírus.