RADAR: Atenção a alta da covid-19 na Europa e denúncia contra bancos

144

São Paulo – O aumento no grau de contágio da covid-19 na Europa e uma reportagem de vários veículos de imprensa mostrando que grandes bancos em todo o mundo deliberadamente permitiram e lucraram com o fluxo de dinheiro sujo deixaram como única opção aos investidores vender ações e buscar proteção contra o risco.

A segunda onda de covid-19 nos mercados europeus aumenta a preocupação com a possibilidade de novos fechamentos de lojas e empresas para conter a doença, interrompendo a recuperação que vinha sendo observada na região com a retomada das atividades.

Nos Estados Unidos, o Congresso ainda não aprovou um pacote de ajuda financeira à população, e a possibilidade de um acordo neste sentido ficou menor depois da morte de uma das juízas da Suprema Corte do país, que deve gerar disputa política para que a substituição ocorra apenas após as eleições presidenciais.

No Brasil, o mercado deve seguir o movimento do exterior enquanto se prepara para uma semana cheia de indicadores econômicos, de detalhamento da mais recente decisão de política monetária do Banco Central e de potenciais anúncios do governo sobre a proposta de reforma tributária.

Dados divulgados mais cedo mostraram que os economistas ouvidos pelo Banco Central diminuíram a previsão de queda do Produto Interno Bruto (PIB) este ano. O mercado projeta retração de 5,05% da economia brasileira, de -5,11% na antes, na segunda semana seguida de melhora. Há um mês, a previsão era de queda de 5,46%, segundo o relatório de mercado Focus.

Outro destaque no documento do BC foi a inflação. O mercado elevou a previsão pela sexta vez seguida, de 1,94% para 1,99%.

Em âmbito corporativo, a Suzano informou que o BNDESPar, braço de investimentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) protocolou na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o pedido de registro da oferta pública de distribuição secundária de ações (follow on), de até 150.217.425 ações ordinárias que detém da companhia, que representam 11,03% do total. A precificação deve ocorrer em 1 de outubro de 2020.

O tráfego nas rodovias administradas pela CCR subiu 3,3% na semana encerrada em 18 de setembro em relação ao mesmo período do ano anterior, com redução de 11,3% no fluxo de veículos de passeio e alta de 15,5% no de veículos comerciais, segundo dados enviados pela companhia à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Os resultados dessa semana representam melhora em relação à semana anterior, quando o fluxo total de veículos havia registrado queda de 2,3%.

A Gol confirmou ser alvo de uma ação coletiva aberta nos Estados Unidos por parte de um acionista que pede ressarcimento por supostas falhas de divulgação que teriam provocado queda no preço dos papéis da companhia no decorrer da atual pandemia da covid-19.