PSDB quer obrigar Bolsonaro a cumprir distanciamento social e uso de máscaras

O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado de diversos ministros, participa de manifestação organizada pelo movimento agricola brasileiro. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil)

São Paulo – O PSDB recorreu à Justiça para obrigar o presidente Jair Bolsonaro a seguir as recomendações do Ministério da Saúde para evitar a disseminação da covid-19 – nomeadamente o distanciamento social e o uso de máscaras -, afirmou o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) durante audiência da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado que investiga erros e omissões do governo no combate à pandemia.

“O PSDB está entrando na Justiça com ação que obrigue o presidente em ações públicas, e principalmente aquelas com recursos da União, a obedecer as regras sanitárias estabelecidas pelo Ministério da Saúde e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”, disse ele.

“É problema que estamos vendo ocorrer recorrentemente, é boicote a programa de afastamento social. Estamos neste momento vivendo novamente uma crise de vacinas, e o afastamento social é a única outra alternativa diante da falta de vacinas”, acrescentou.

O Ministério da Saúde recomenda em seu site que as pessoas adotem “medidas não farmacológicas” contra a covid-19, como “distanciamento social, etiqueta respiratória e de higienização das mãos, uso de máscaras, limpeza e desinfeção de ambientes, isolamento de casos suspeitos e confirmados e quarentena dos contatos dos casos de covid-19, conforme orientações médicas.”

O órgão diz também que “durante a pandemia, devem ser adotados procedimentos que permitam reduzir a interação entre as pessoas com objetivo de diminuir a velocidade de transmissão do vírus” e que “considera-se o aglomerado de várias pessoas num mesmo local, onde se torna difícil para as pessoas permanecerem a pelo menos um metro de distância entre elas”.

Sobre as máscaras, o ministério diz ser o uso “fortemente recomendado para toda a população em ambientes coletivos, em especial no transporte público e em eventos e reuniões, como forma de proteção individual, reduzindo o risco potencial de exposição do vírus especialmente de indivíduos assintomáticos.”