PMI de serviços dos EUA sobe a 58,3 pontos em janeiro após revisão

104
Foto: JM Griffin / freeimages.com

São Paulo – O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) sobre a atividade do setor de serviços dos Estados Unidos subiu para 58,3 pontos em janeiro, depois de atingir 54,8 pontos em dezembro, de acordo com dados revisados publicados pelo instituto de pesquisas IHS Markit. A expectativa era de alta para 57,1 pontos.

Na versão preliminar, o índice havia avançado para 57,5 pontos. Leituras acima de 50 pontos sugerem expansão da atividade, enquanto valores menores apontam contração. O PMI composto, que agrega dados dos segmentos industrial e de serviços, subiu para 58,7 pontos em janeiro, de 55,3 pontos em dezembro. A versão preliminar havia mostrado alta para 58,07 pontos.

Os dados de janeiro indicaram um forte aumento no volume de novos pedidos. Excluindo a alta recente de novembro, o ritmo de expansão é o mais rápido desde fevereiro de 2019, com o crescimento das vendas recuperando o ímpeto. O avanço foi frequentemente atribuído à maior demanda de clientes novos e existentes.

Ao mesmo tempo, a demanda dos clientes estrangeiros subiu, à medida que novos negócios do exterior voltaram a se expandir. Embora marginal, a taxa de expansão foi a mais rápida em três meses.

Os prestadores de serviços registraram outro aumento acentuado nos preços dos insumos no início de 2021, supostamente ligados a custos mais elevados com combustível, transporte e fornecedores.

Apesar de um aumento mais rápido no volume de novos negócios, várias empresas relataram capacidade suficiente para processar a entrada de novos trabalhos em janeiro. Como resultado, as empresas aumentaram o número da força de trabalho apenas marginalmente e no ritmo mais lento desde julho de 2020.

“Um forte começo de ano para a manufatura foi acompanhado por uma recuperação acentuada no setor de serviços, levando o crescimento da atividade à taxa mais rápida em quase seis anos durante janeiro. A melhoria dos dados definiu o cenário para um primeiro trimestre forte e um aumento nas expectativas de negócios para o próximo ano é um bom presságio para que a recuperação ganhe força à medida que o ano avança”, disse o economista-chefe de negócios da IHS Markit, Chris Williamson.