PL deve contratar empresa para testar segurança do processo eleitoral

190
Urna eletrônica. (Foto: Nelson Jr. / Ascom/TSE)

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro voltou a questionar a segurança do processo eleitoral brasileiro. Bolsonaro disse que o PL, partido ao qual está filiado, vai contratar uma empresa de auditoria com experiência internacional para analisar as urnas eletrônicas usadas nas eleições. A contratação, segundo Bolsonaro, foi acertada com o presidente do PL, Valdemar Costa Neto.

“Adianto aqui em primeira mão que estive com o presidente do partido, o PL, há poucos dias. E, com está na legislação eleitoral, nós contrataremos uma empresa para fazer auditoria nas eleições”, afirmou o presidente na live semanal.

“Adianto para o TSE [Tribunal Superior Eleitoral] que essa auditoria não vai ser feita após as eleições. Uma vez contratada, a empresa já começa a trabalhar. A empresa vai pedir ao TSE uma quantidade grande de informações, vai pedir às Forças Armadas o trabalho que as Forças Armadas fizeram até agora”, completou.

Bolsonaro reiterou a tese de que as urnas eletrônicas não são passíveis de auditoria. “O que pode acontecer – não estou dizendo que vai acontecer – o que pode acontecer, em poucas semanas de trabalho, essa empresa, que faz auditoria no mundo inteiro, ela pode chegar a conclusão, antes das eleições, que dado à documentação que tem nas mãos, dado o que já foi feito até o momento, ela pode falar que é impossível auditar e não querer fazer o trabalho”, afirmou.

Segundo Bolsonaro, se isso acontecer, o TSE e os ministros Luiz Barroso, Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Alexandre de Moraes, que defendem a segurança das urnas, “vão ficar numa situação complicada”.

“As eleições têm que ser realizadas sem qualquer sombra de dúvida. Esse é o momento de o TSE mostrar para o mundo, através dessa empresa de autoria, que temos o sistema mais confiável do mundo no tocante às eleições”, afirmou Bolsonaro, acrescentando: “Inclusive vamos dar os parabéns a Bangladesh e Butão, que são os dois países que também fazem eleições com esse sistema”.

Ao lado do general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Bolsonaro afirmou, em tom de ironia, que, com a contratação da auditoria, o PL vai garantir a eleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Já que as pesquisas dizem que o senhor Lula tem 40%, o Lula vai ganhar. Então eu quero garantir a eleição do Lula com esse processo aqui. Ninguém precisa fazer campanha”, disse.

Na live semanal, Heleno negou que o diretor da CIA (Agência Central de Inteligência dos Estados tenha tratado de eleições brasileiras com o governo. “Essa conversa sobre eleições jamais aconteceu. Não sei onde saiu essa narrativa”, afirmou o ministro, dizendo que houve conversas sobre área de inteligência. “Não houve nenhuma troca de ideias sobre eleições, nem nos Estados Unidos ou aqui. Isso foi uma notícia falsa”, completou.

Segundo reportagem da agência Reuters, a CIA teria pedido, no ano passado, em visita ao Brasil, a representantes do governo brasileiro que Bolsonaro não criticasse mais o processo eleitoral.