Pico da inadimplência deve ser em 2021, diz Bracher

170

São Paulo – O Itaú Unibanco afirmou que o pico da inadimplência ainda não chegou e que o indicador ficará elevado. Segundo o presidente da instituição, Candido Bracher, isso é um fenômeno já antecipado no balanço.

“A inadimplência se elevará muito ainda. Vamos ver como será o impacto da economia e as renegociações. A inadimplência terá mais força no primeiro e segundo trimestre de 2021”, ressaltou o executivo.

O presidente do Itaú Unibanco afirmou também que o nível deve ser maior que o visto nas crises passadas em função da parada total da economia. “Uma queda de 5% do PIB este ano. Nunca tivemos isso. Devemos esperar elevada, mas não fora de controle”.

Ao final do segundo trimestre, o índice de inadimplência acima de 90 dias ficou em 3,2% da carteira de crédito no Brasil, queda de 0,3 pp em relação a um ano antes. A carteira de crédito ampliada do banco teve alta de 20,3% ao fim do período em relação ao mesmo período do ano anterior, atingindo R$ 811,326 bilhões.