Parler, rede social usada por partidários de Trump, é retirada do ar por Amazon

177
A rede social Parler é amplamente popular entre os simpatizantes de Trump. / Foto: Parler

São Paulo — O serviço de mídia social Parler saiu do ar pouco antes da meia-noite de ontem, quando a Amazon cumpriu com sua ameaça de interromper a hospedagem da plataforma de postagens muito popular entre os partidários do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

A Amazon, que fornece os servidores back-end que hospedam o site e o banco de dados da Parler, disse em uma carta à empresa enviada no fim de semana que viu um aumento constante no conteúdo violento no site, afirmando também que os esforços da Parler para removê-los foram insuficientes.

Na semana passada, a Apple Inc. e o Google removeram o aplicativo da Parler para dispositivos móveis de suas lojas de aplicativos. A medida dificultou o acesso para novos usuários, mas não encerrou o serviço. A ação da Amazon, porém, tirou o site do ar por completo.

O presidente-executivo da Parler, John Matze, disse em uma postagem na Parler no sábado que era possível que o serviço ficasse indisponível por até uma semana enquanto ele encontrava novos serviços de hospedagem.

“Este foi um ataque coordenado pelos gigantes da tecnologia para eliminar a concorrência no mercado”, escreveu Matze.

Os executivos da Parler haviam dito que a empresa tem trabalhado para reforçar seus esforços de moderação de conteúdo. Nos últimos dias, disseram, a Parler dobrou sua equipe de moderadores voluntários – chamados de “jurados” – para mais de mil e os instruiu a pesquisar hashtags populares para incitamento de ataques.

A empresa também instruiu seus jurados a caçar qualquer conteúdo que sugira violência nas seções de comentários de suas seções mais visitadas e planejou contratar funcionários para reforçar esses esforços, disseram eles.

Mas as empresas de tecnologia classificaram esses esforços como insuficientes.

Em uma carta no fim de semana, a Amazon Web Services, a unidade que fornece os serviços em nuvem da Amazon, disse que a Parler não era, na opinião da Amazon, efetivamente capaz de remover conteúdo que incentiva ou incita a violência, em violação das políticas da Amazon.

Após o ataque ao Capitólio na semana passada, a carta citava o risco de que o conteúdo de Parler pudesse incitar mais violência e dizia que suspenderia a conta de Parler no domingo às 23h59. A Amazon disse na carta que preservaria os dados de Parler e ajudaria na migração para diferentes servidores.