Paridade internacional não será desrespeitada, diz novo presidente da Petrobras

São Paulo – O novo presidente da Petrobras, o general Joaquim Silva e Luna, afirmou que a Petrobras deve atingir as suas metas conciliando interesses de consumidores e acionistas e que buscará reduzir a volatilidade sem desrespeitar a paridade internacional de preços.

Durante a cerimônia de posse ocorrida no final da manhã, o novo presidente da estatal, eleito na última sexta-feira (16) pelo conselho de administração, disse que não “há dúvida que entre os principais desafios está fazer a Petrobras cada vez mais forte, “de forma a garantir maior retorno possível ao capital empregado” e “buscando reduzir volatilidade sem desrespeitar a paridade internacional, contribuindo para a geração de previsibilidade”.

Silva e Luna ainda destacou os objetivos de crescer em ativos de óleo em águas profundas, “buscando incessantemente custos baixos”, além de buscar a redução da dívida da companhia.

O presidente empossado disse também que o plano estratégico da Petrobras já sinaliza as linhas mestras da superação da empresa e reiterou que a escolha de novos quatro diretores, também eleitos pelo conselho na última sexta-feira, foi feita com base na larga experiência dos executivos.

O comentário sobre a paridade de preços de combustíveis foi bem recebido pelo mercado e fez as ações da Petrobras acelerarem ganhos, ficando entre as maiores altas do Ibovespa, já que uma das grandes dúvidas do mercado que pairam sobre a nova gestão é se a política de preços atual, que leva em conta preços internacionais do petróleo, será mantida. O presidente Jair Bolsonaro, que indicou o general para o cargo, fez diversas críticas à política de preços atual.

Às 13h11 (horário de Brasília), as ações ordinárias da Petrobras (PETR3) tinham alta de 4,19%, a R$ 24,46, enquanto as preferenciais (PETR4) avançavam 4,74%, a R$ 24,05.