Para FMI, impacto da pandemia sobre emergentes é maior do que na crise de 2008

155
Plenária do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Washington / Foto: FMI

São Paulo – O impacto econômico da pandemia de covid-19 nas economias emergentes excedeu em muito o da crise financeira global, de acordo com economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI). Segundo eles, diferentemente das crises anteriores, a resposta foi decisiva, como nas economias avançadas. Contudo, as políticas convencionais estão atingindo seu limite e as políticas não-ortodoxas não estão isentas de riscos.

“O impacto econômico da crise atual é ainda mais grave, pois as economias emergentes foram atingidas por vários choques. O resultado dos efeitos das medidas domésticas de contenção tem sido um declínio na demanda externa. Particularmente atingidos são os países dependentes do turismo devido ao declínio de viagens e os exportadores de petróleo à medida que os preços das commodities despencam”, dizem os especialistas Martin Muhleisen, Tryggvi Gudmundssone Helene Poirson Ward no blog do FMI.

Segundo eles, com o comércio global e os preços do petróleo projetados para cair em mais de 10% e 40%, respectivamente, as economias emergentes provavelmente enfrentarão uma batalha difícil.

“Isso ocorre mesmo quando a fuga de capital se estabiliza e os spreads recuam em comparação com as condições de mercado fortemente voláteis observadas em março”, lembram.

No documento de junho, o FMI revisou sua projeção econômica para este ano e passou a prever que os países emergentes encolherão 3,2% este ano – a maior retração já registrada por esse grupo de países na história do Fundo.

Os especialistas destacam, no entanto, que a crise atual teria sido ainda pior sem o apoio extraordinário da política monetária. Segundo eles, as ações decisivas em economias avançadas levaram a uma reviravolta nas condições de mercado que permitiram às economias emergentes retomar os esforços de financiamento externo em abril e maio, o que contribuiu para níveis recordes de emissão de títulos até agora este ano – no valor de US $ 124 bilhões a partir do final de junho.

“Mas nem todos os países viram melhora. Exportadores de combustível, países fronteiriços e aqueles com dívidas altas estão passando por um choque financeiro maior, que elevou os custos dos empréstimos, ou pior ainda, negou-lhes maior acesso aos mercados”, afirmam.

Diferentemente dos episódios anteriores, em que as economias de mercado emergentes tendiam a restringir a política para evitar saídas rápidas de capital e o efeito inflacionário das depreciações da taxa de câmbio, os especialistas dizem que a crise atual viu a reação política das economias emergentes mais alinhada com a das economias avançadas.

“A maioria dos emergentes usou amortecedores de reserva com mais moderação e permitiu que as taxas de câmbio se ajustassem em maior medida, enquanto muitos países injetavam liquidez conforme necessário para garantir o funcionamento do mercado. Países como Polônia e Indonésia facilitaram ainda mais as políticas macroprudenciais de apoio ao crédito”, dizem.

Eles destacam ainda que muitas economias emergentes, incluindo Tailândia, México e África do Sul, afrouxaram a política monetária durante esse ciclo e que, em alguns casos, o espaço limitado para reduzir ainda mais as taxas de juros e condições de mercado em dificuldades induziram o uso de medidas de política monetária não convencionais pela primeira vez.

“Isso incluiu compras de títulos do governo e de empresas, embora os valores permaneçam modestos até agora em comparação com as economias avançadas. Por outro lado, o uso de medidas de fluxo de capital para deter as saídas de capital tem sido bastante limitado até o momento”, afirmam.

Sobre a política a fiscal, os especialistas dizem que as economias emergentes relaxaram sua posição na tentativa de enfrentar a crise da saúde, apoiar pessoas e empresas e compensar os choques econômicos.

“Embora mais modestos que os das economias avançadas, esses esforços foram significativamente maiores do que durante a crise financeira global”, acrescentam.

Em linhas gerais, os especialistas do FMI dizem que as economias emergentes navegaram relativamente bem na primeira fase da crise, mas alertam que a próxima etapa pode ser muito mais desafiadora.

“O vírus permanece presente, as condições financeiras ainda são frágeis e o espaço político é menor, principalmente para os países que enfrentam altos riscos à sustentabilidade da dívida”, dizem.

Segundo eles, aproximadamente um terço de todas as economias emergentes entrou na crise com altos níveis de endividamento e considera-se que não há espaço para empreender política fiscal discricionária adicional ou como tendo esse espaço significativamente em risco.

As constatações sobre os efeitos da crise provocada pela pandemia de covid-19 fazem parte de um texto publicado no blog do FMI e que foi elaborado pelo diretor de estratégias do Fundo, Martin Muhleisen, em parceria com o economista do órgão, Tryggvi Gudmundsson, e com a economista sênior para a Europa, Helene Poirson Ward.