OMS e UE defendem preparação global contra futuras pandemias

Foto: Anna Shvets / pexels.com

São Paulo – A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a União Europeia (UE) defenderam a elaboração de um tratado internacional de preparação e resposta a possíveis novas pandemias que o mundo poderá enfrentar no futuro.

“O mundo não pode esperar outra pandemia para agir. O impacto na sociedade, na saúde e na economia são muito significativos. Não podemos fazer as cosias como antes e esperar resultados diferentes. Precisamos de coordenação internacional, sem isso, permaneceremos vulneráveis”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva.

Neste sentindo, ele pediu uma maior cooperação global e inovação na saúde. “Precisamos implementar padrões de saúde internacionais. Precisamos ser mais resilientes às pandemias e preparar o sistema global de saúde, ter contramedidas acessíveis, incluindo vacinas e a detecção”, afirmou Ghebreyesus.

Mais cedo, os chefes de estado e de governo de mais de 20 países, como Alemanha, Reino Unido, África do Sul, Chile e Coreia do Sul, assinaram um tratado global comprometendo-se a realizar esforços conjuntos para combater a pandemia do novo coronavírus. Os Estados Unidos e a China ficaram de fora.

“A pandemia é mais do que uma questão de saúde. A pandemia testou todos os setores da nossa sociedade, testou nossas fragilidades e nos ensinou uma lição: nenhum país pode enfrentar uma pandemia sozinho”, disse o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que também participou da coletiva.

Segundo ele, uma nova pandemia é apenas questão de tempo e todos os países devem estar prontos quando esse momento chegar.

“A próxima pandemia não é uma questão de se, mas quando vai acontecer. Precisamos estar prontos. A pandemia é um lembrete de que ninguém está seguro até que todos estejam seguros, por isso, precisamos de uma ação em nível internacional”, acrescentou Michel.