Número de imóveis vendidos na cidade de SP cresce 18,6% em setembro, base anual

226
Cidade de São Paulo / Pexels (Cadu Carvalho)

São Paulo, SP – A Pesquisa Secovi-SP do Mercado Imobiliário (PMI), realizada pelo departamento de Economia e Estatística da entidade junto às incorporadoras associadas, apurou a comercialização de 7.417 unidades residenciais novas em setembro na cidade de
São Paulo, queda de 7,6% em comparação a agosto e alta de 18,6% na comparação anual. Em 12 meses (outubro de 2022 a setembro de 2023), as vendas acumulam 74.338 unidades.

O total vendido corresponde a VGV (Valor Global de Vendas) de R$ 3,82 bilhões no mês e de R$ 39,9 bilhões em 12 meses – valores deflacionados pelo INCC-DI (Índice Nacional de Custo da Construção) de setembro, medido pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), queda
de 18,1% em relação a agosto e alta de 33% na comparação anual.

O indicador VSO (Vendas Sobre Oferta), que apura a porcentagem de vendas em relação ao total de unidades ofertadas, atingiu 10,9% em setembro e 54,5% em 12 meses.

De acordo com a pesquisa Secovi-SP, foram lançadas na capital paulista 7.369 unidades residenciais em setembro. No acumulado de 12 meses, os lançamentos totalizaram 70.053
unidades.

O mercado imobiliário da cidade de São Paulo encerrou setembro de 2023 com a oferta de 60.781 unidades disponíveis para venda. Esta oferta é composta por imóveis na planta, em construção e prontos (estoque), lançados nos últimos 36 meses (outubro de 2020 a setembro de 2023).

Os imóveis de 2 dormitórios destacaram-se no mês de setembro em quase todos os indicadores: 56% das unidades lançadas (4.119 unidades), 61% das vendas (4.487 unidades), 57% da oferta (34.350 unidades), 45% do VGV (R$ 1.722,1 milhões) e 35% do VGO (R$ 14,2 bilhões). O maior VSO (12,2%) foi de imóveis de 1 dormitório.

Imóveis na faixa de 30m2 e 45m2 de área útil lideraram em todos os indicadores: 50% dos lançamentos (3.707 unidades),56% das vendas (4.153 unidades), 48% da oferta (29.430 unidades), 33% do VGV (R$ 1.254,5 milhões), 22% do VGO (R$ 9,2 bilhões) e o maior VSO (12,4%), juntamente com os imóveis com metragem até 30 metros quadrados.

Os imóveis com valores até R$ 264 mil registraram maior volume em lançamentos, com 40% (2.915 unidades), em vendas, com 37% (2.760 unidades), oferta com 30% (18.202 unidades) e o maior VSO (13,2%). Já os imóveis com preços acima de R$ 2,1 milhões tiveram o maior VGO 31% (R$ 12,7 bilhões) e o maior VGV, com 20% (R$ 775,7 milhões).

A partir de julho de 2023, foi atualizada a faixa de preços dos imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida alterando o limite de R$ 264 mil para R$ 350 mil na cidade de São Paulo. Para segmentar os imóveis econômicos, o Secovi-SP elegeu as faixas de preço enquadradas
nos parâmetros do programa Minha Casa Minha Vida.

Em setembro, 46% das unidades vendidas e 59% das unidades lançadas foram enquadradas como econômicas, correspondendo, em termos absolutos, a 3.426 unidades vendidas e 4.334 unidades lançadas. A oferta disponível para a venda deste tipo de imóvel somou 21.091 unidades (35%), com VSO de 14,0%.

Os outros mercados registraram 3.035 unidades lançadas, 3.991 unidades vendidas, oferta final de 39.690 unidades e VSO de 9,1%.

A Zona Sul liderou em vendas, com 31% (2.264 unidades), VGV, com 37% (R$ 1.406,3 milhões), oferta final, com 32% (19.217 unidades), e VGO, com 40% (R$ 16,5 bilhões). A zona Oeste foi destaque em lançamentos, com 28% (2.075 unidades), e o Centro liderou em VSO (14,0%).