Novos casos de covid-19 podem atrasar recuperação, diz Banco do Japão

169
O presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda. (Foto: Sebastian Derungs/Fórum Econômico Mundial)

São Paulo – Alguns membros Conselho do Banco do Japão (BoJ) alertaram que o ressurgimento de casos do novo coronavírus pode atrasar a recuperação da economia do país, de acordo com a ata da reunião realizada nos dias 14 e 15 de julho.

Na ocasião, o BoJ manteve a taxa de depósitos em -0,1% e a meta para juros em 10 anos em zero, ao mesmo tempo em que revisou para baixo projeção de Produto Interno Bruto (PIB) para este ano fiscal, e prevê queda de entre 4,5% e 5,7%.

Segundo a ata, “alguns membros apontaram que era necessário estar vigilante com relação ao fato de a covid-19 ter se espalhado globalmente em um ritmo mais rápido e que um risco de seu ressurgimento havia surgido, inclusive no Japão”.

Um membro disse que “o Banco poderia não ser otimista sobre o momento de uma recuperação econômica, uma vez que seria adiada ainda mais se a covid-19 se espalhar novamente”.

Outro membro afirmou que “se o impacto da covid-19 for prolongado, havia a possibilidade de que a pressão para baixo sobre a atividade econômica continue a ser exercidos e um ciclo vicioso de desemprego, menor renda e gastos surgiria, principalmente por meio da materialização de problemas de solvência bem como pessoas empregadas que não estão no trabalho ficando desempregadas”.

Por fim, os membros discutiram os desequilíbrios financeiros de uma perspectiva de longo prazo. “Eles compartilharam o reconhecimento de que a prolongada pressão de queda sobre os lucros das instituições financeiras pode criar um risco de recuo gradual na intermediação financeira”.