MERCADO AGORA: Veja um sumário dos negócios até o momento

São Paulo – O Ibovespa acelerou ganhos puxado principalmente pelas ações de bancos e empresas exportadoras, que têm grande peso no índice, em um dia de baixa liquidez em função do funcionamento reduzido das Bolsas norte-americanas, que fecharão às 15h nesta Black Friday. No exterior, os principais mercados acionários operam em alta, mas com variações modestas em meio à ausência de grandes novidades.

Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o Ibovespa registrava alta de 1,12%, aos 111.466,17 pontos. O volume financeiro do mercado era de aproximadamente R$ 12,6 bilhões. No mercado futuro, o contrato de Ibovespa com vencimento em dezembro de 2020 apresentava avanço de 1,08%, aos 111.510 pontos.

As ações do Itaú Unibanco (ITUB4 2,99%) e da Itausa (ITSA4 2,89%) se destacam dentro do setor e estão entre as maiores altas do Ibovespa. Investidores aproveitam para comprar papéis que estavam descontados e sofreram mais durante a pandemia de coronavírus, como os do segmento bancário.

Ainda entre as maiores altas do Ibovespa estão as ações do setor de construção, Eztec (EZTC3 4,95%) e da Cyrela (CYRE3 4,39%), e de papel e celulose, Suzano (SUZB3 4,55%) e Klabin (KLBN11 3,92%). Os papéis de exportadoras de commodities, como a Suzano, têm um dia positivo após dados que mostram recuperação da economia chinesa, o que traz expectativas de aumento de demanda e de preços no setor.

Entretanto, a alta de hoje do índice não é acompanhada de um grande fluxo, que tende a ser mais baixo com o funcionamento reduzido de Wall Street. “Ontem, o volume de operações já reduziu bastante com o feriado nos Estados Unidos e hoje as Bolsas por lá abrem, mas fecham às 15h com a Black Friday, muita gente emenda o feriado”, disse o sócio da Criteria Investimentos, Vitor Miziara.

O dólar comercial exibe forte volatilidade e opera em alta frente ao real, ao redor de R$ 5,35, em sessão “morna”, de poucos negócios e baixa liquidez em meio ao funcionamento reduzido do mercado financeiro norte-americano na volta do feriado de ação de graças, ontem. Enquanto investidores locais seguem cautelosos com o cenário fiscal.

Por volta das 13h30, o dólar comercial registrava alta de 0,09%, sendo negociado a R$ 5,3420 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em dezembro de 2020 apresentava avanço de 0,04%, cotado a R$ 5,339.

A economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, ressalta que o “pano de fundo” do mercado local não mudou e a sessão é mais morna na volta do feriado dos Estados Unidos e com o horário de funcionamento das bolsas de valores reduzido por lá, no qual fecharão às 15 horas.

“Aqui, há uma cautela com os desdobramentos do cenário fiscal. Temos essas limitações com as questões domésticas que não mudaram e são ruins. Em um dia de liquidez mais baixa, acaba refletindo em pressão altista no dólar”, comenta.

Às vésperas das eleições municipais, no domingo, a equipe econômica da Guide Investimentos pondera que a expectativa com o retorno dos trabalhos no Congresso com o fim da corrida eleitoral cresce, o que pode limitar os ganhos do dólar em relação à moeda local.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) tentam se firmar em queda, na contramão do sinal positivo exibido pelo dólar, com os investidores aproveitando o clima menos hostil dentro do governo para promover os ajustes de fim de mês. Ainda assim, a liquidez dos negócios é baixa, por causa do feriado nos Estados Unidos ontem, que persiste hoje, com Wall Street encerrando o pregão mais cedo.

Por volta das 13h30, o DI para janeiro de 2022 tinha taxa de 3,26%, de 3,31% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 4,96%, de 5,01% após o ajuste ontem; o DI para janeiro de 2025 estava em 6,74%, de 6,82%; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 7,54%, de 7,60%, na mesma comparação.