Lucro da P&G cai com maiores custos de commodities e frete

783
Foto: Procter & Gamble

São Paulo – A Procter & Gamble (P&G) reportou lucro líquido de US$ 4,112 bilhões no primeiro trimestre fiscal de 2022, terminado em 30 de setembro, uma queda de 3,9% em relação ao mesmo período do ano anterior. Na mesma base de comparação, a receita totalizou US$ 20,338 bilhões, alta de 5,3%.
Segundo a empresa, o lucro líquido diminuiu na medida em que o aumento nas vendas líquidas foi mais do que compensado por uma redução na margem operacional devido aos custos mais elevados de commodities e frete, conforme antecipado.
Já a receita cresceu devido ao impacto positivo do câmbio, alta nos preços de venda, aumentos de volume com a pela forte demanda do consumidor por produtos superiores e inovação, e um impacto positivo do mix de produtos com o crescimento em itens premiu e em saúde, com forte avanço na América do Norte.
As vendas aumentaram 5% no setor de beleza, para US$ 3,964 bilhões. Já as vendas na divisão de tecidos e cuidados domésticos, a maior unidade em vendas, subiram 5%, para US$ 7,009 bilhões. Por sua vez, as vendas de cuidados com saúde cresceram 8%, para US$ 2,676 bilhões.
Para o ano fiscal de 2022, a P&G espera um crescimento do lucro líquido diluído por ação na faixa de 6% a 9% ante o lucro por ação de U$ 5,50 no ano fiscal anterior, e prevê um crescimento das vendas na faixa de 2% a 4% na mesma base de comparação.
A empresa disse que sua perspectiva atual estima fatores contrários de US$ 2,1 bilhões após os impostos dos custos mais altos das commodities e um adicional de US$ 200 milhões após os impostos dos custos de frete mais altos. Estes impactos reduzirão o lucro por ação em US$ 0,90.