Juros podem até subir mais caso inflação continue alta, diz Bowman

254
A diretora do Federal Reserve, Michelle Bowman / Foto: Fed

A governadora do Federal Reserve, Michelle Bowman, afirmou na sexta-feira que é possível que as taxas de juros precisem subir para controlar a inflação, ao contrário do que seus colegas funcionários indicaram como provável e o mercado espera.

Ela destacou uma série de riscos potenciais de alta para a inflação, alertando que os formuladores de políticas precisam ser cautelosos para não afrouxar a política monetária muito rapidamente.

“Embora não seja minha visão central, continuo vendo o risco de que em uma reunião futura possamos precisar aumentar ainda mais a taxa de juros caso o progresso da inflação estagne ou até mesmo se reverta”, disse ela em comentários preparados para um discurso a um grupo de observadores do Fed em Nova York. “Reduzir nossa taxa de juros muito cedo ou muito rapidamente pode resultar em uma recuperação da inflação, exigindo novos aumentos nas taxas de juros no futuro para retornar a inflação a 2% a longo prazo.”

Como membro do Conselho de Governadores, Bowman é membro votante permanente do Comitê Federal de Mercado Aberto, que define as taxas de juros. Desde que assumiu o cargo no final de 2018, seus discursos públicos a colocaram no lado mais agressivo do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), o que significa que ela favorece uma postura mais agressiva em relação à contenção da inflação.

Bowman disse que, embora ainda não seja o momento para cortes, seu cenário mais provável é que “eventualmente será apropriado reduzir” as taxas, observando que “continuo vendo uma série de riscos de alta para a inflação”.

O discurso, para o Comitê de Mercado Aberto Paralelo, ocorre em um momento em que os mercados estão incertos sobre o futuro da política do Fed. Declarações desta semana de vários funcionários, incluindo o presidente Jerome Powell, indicaram uma abordagem cautelosa para cortes nas taxas. O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, um membro votante do FOMC, disse à CNBC que prevê apenas um corte este ano, e o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, sugeriu que nenhum corte pode ocorrer se a inflação não desacelerar ainda mais.

Os traders de futuros estão precificando três cortes este ano, embora a decisão entre junho e julho esteja se tornando difícil. Em março, os membros do Fomc também projetaram três cortes este ano, embora um funcionário não identificado no “gráfico de pontos” tenha indicado nenhum corte até 2026, destacando a considerável divergência sobre o ritmo da política monetária.

“Dados os riscos e incertezas em relação à minha perspectiva econômica, continuarei monitorando os dados de perto enquanto avalio o caminho apropriado da política monetária e permaneço cautelosa em minha abordagem para considerar mudanças futuras na postura da política”, disse Bowman.

Ao considerar os riscos de inflação, ela observou que as melhorias no lado da oferta que contribuíram para a redução da inflação neste ano podem não ter o mesmo impacto no futuro. Ela também citou riscos geopolíticos, estímulos fiscais, preços de moradias persistentemente altos e aperto no mercado de trabalho como outros riscos de alta.

“As leituras da inflação nos últimos dois meses sugerem que o progresso pode ser desigual ou mais lento no futuro, especialmente para serviços essenciais”, acrescentou Bowman.

As autoridades do Fed terão seu próximo olhar sobre os dados de inflação na quarta-feira, quando o Departamento do Trabalho divulgar o relatório do índice de preços ao consumidor de março.