JBS lucra R$ 1,65 bilhão no primeiro trimestre, após prejuízo um ano antes

86
Crédito: Divulgacão JBS

São Paulo, 14 de maio de 2024 – O lucro líquido da JBS somou R$ 1,65 bilhão no primeiro trimestre, após prejuízo um ano antes.

Gilberto Tomazoni, CEO Global JBS, comentou em sua mensagem no relatório: “A JBS apresentou resultados sólidos, que reforçam que estamos no caminho da recuperação, como vínhamos sinalizando nos trimestres anteriores. Neste 1º trimestre de 2024, adicionamos quase 2 pontos percentuais à nossa margem Ebitda consolidada na comparação com 4o trimestre de 2023 e quase 5 pontos em relação ao 1o trimestre de 2023, alcançando margem de 7,2% no período. Como resultado de melhorias implementadas ao longo de 2023, a Seara é um dos destaques do trimestre. O foco em excelência operacional se reflete na significativa evolução da margem do negócio, que saltou de 6,4% no 4o trimestre de 2023 para 11,6% no 1o trimestre de 2024. O preenchimento de parte das lacunas operacionais, a normalização dos custos dos grãos e o crescimento nos volumes no mercado interno reforçam as perspectivas promissoras para a Seara neste ano. Mantemos o foco na busca pela preferência dos consumidores e na captura de oportunidades operacionais.”

A receita líquida cresceu 2,8%, para R$ 89,15 bilhões. No período, cerca de 76% das vendas globais da JBS foram realizadas nos mercados domésticos em que a companhia atua e 24% por meio de exportações. Nos últimos 12 meses, a receita líquida atingiu R$366,3 bilhões (US$74,2 bilhões).

O ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) aumentou 216,4%, para R$ 6,28 bilhões. Em termos ajustados, o ebitda aumentou 197,4%, para R$ 6,429 bilhões, enquanto a margem ebitda alcançou 7,2%, um aumento de 470 pontos-base em relação ao ano anterior. “O 1T23 foi marcado por um período de muitos desafios, desequilíbrio entre oferta e demanda, inflação persistente em diversas regiões, custos dos insumos elevados, entre outros. Além da fortaleza da plataforma global da Companhia, ao longo do ano passado diversas ações foram implementadas, com foco nas pessoas e na excelência operacional. Assim, os resultados do 1T24 comprovam a recuperação dos resultados em todas as unidades de negócios, com exceção da JBS Beef North America que enfrenta um ciclo do gado desafiador”, comentou a empresa.

Nos últimos 12 meses, o ebitda ajustado atingiu R$21,4 bilhões (U$4,3 bilhões), com margem ebitda ajustada de 5,8%.

No fechamento do 1T24, a dívida líquida ficou em US$15,9 bilhões (R$79,3 bilhões) uma redução de aproximadamente US$539 milhões quando comparado ao fechamento do 1T23. Em reais, a dívida líquida da companhia diminuiu 4,9%. No trimestre, a alavancagem em reais encerrou em 3,70x e em dólares de 3,66x.

“Nossa prioridade continua sendo a desalavancagem, processo que se consolidou: o índice registrou redução de 4,42x em dólar no 4o trimestre de 2023 para 3,66x em dólar no 1o trimestre de 2024”, disse o CEO da empresa.