Inflação durará mais tempo do que previsto, diz Powell

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell / Foto: Fed

São Paulo – O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, disse que a inflação deve persistir mais tempo do que o previsto e acredita que os membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) devem precisar rever suas projeções de aumento de taxas básicas para este ano.

“Existe o risco de que a inflação permaneça alta ou suba ainda mais”, explicou Powell em coletiva de imprensa após decisão de política monetária. “A covid-19 ainda não acabou e ainda pode continuar evoluindo”, afirmou.

Segundo ele, os problemas nas cadeias de suprimentos não devem ser resolvido até o fim deste ano. “A política de lockdown da China pode prejudicar isso ainda mais e há as questões na Europa Oriental que podem piorar isso”, afirma. Para o presidente do Fed, a situação dos insumos deve ter algum progresso só na segunda metade do ano, com problemas como a escassez de chips se estendendo por muito mais tempo, para além de 2023, por exemplo.

Para Powell, a inflação no país está pior do que em dezembro, quando o Fomc fez as últimas previsões para a economia e a política monetária, prevendo três aumentos das taxas básicas de juros em 2022.

O presidente do Fed, no entanto, acredita que sua projeção para o núcleo do PCE, indicador favorito do banco para a inflação, para este ano deve aumentar em algumas décimos. “Talvez precisemos rever nossa projeção de quantas vezes vamos elevar as taxas em 2022 se a inflação piorar”, disse ele. Powell também disse que se manterá atento para saber onde a inflação está mais ativa.