Incertezas sobre orçamento pesam e Ibovespa cai

Foto de Lorenzo / Pexels

São Paulo – Nem mesmo o bom humor no exterior contribuiu para uma alta expressiva na Bolsa. A baixa liquidez somada às incertezas em relação ao Orçamento e cenário político favoreceram para que o Ibovespa operasse todo o dia com muita volatilidade, principalmente no período da manhã, quando oscilou entre altas e baixas.  No início da tarde, o movimento melhorou e a Bolsa passou a superar os 121 mil pontos. O principal índice da B3 encerrou os negócios com ganho de 0,34%, aos 121.113,93 pontos.

No mercado de câmbio, o dólar comercial fechou em queda de 0,74% no mercado à vista, cotado a R$ 5,5850 para venda, no quarto pregão seguido de sinal negativo, em sessão de forte volatilidade e amplitude em linha com o otimismo que prevaleceu no exterior em meio à continuidade da queda dos rendimentos das taxas futuros dos títulos do governo norte-americano, as treasuries, e com as principais economias dando sinais claros de recuperação econômica diante dados mais fortes.

“É possível continuar vendo um dólar desvalorizado em linha com o exterior, mesmo que seja uma queda mais contida. E o Orçamento deverá ser votado, o fator fiscal vem com tudo nos próximos dias”, disse a analista da Toro Investimentos, Stefany Oliveira.

Já as taxas dos contratos de juros futuros (DIs) fecharam nas mínimas do dia acompanhando o recuo do dólar em relação ao real em meio a um movimento técnico que provocou uma virada nos mercados de câmbio e juros pouco antes do meio-dia.

O movimento foi beneficiado pela grande demanda observada nos leilões de títulos promovidos no decorrer desta semana pelo Tesouro Nacional, especialmente na ponta longa da curva a termo, afirmam operadores ouvidos pela Agência CMA.

Com isso, o DI para janeiro de 2022 encerrou a semana com taxa de 4,645%, de 4,680% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 6,310%, de 6,435%; o DI para janeiro de 2025 ia a 7,96%, de 8,15% antes; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 8,60%, de 8,80%, na mesma comparação. No mercado de câmbio, o dólar à vista operava em queda de 0,8%, cotado na faixa de R$ 5,58.

No exterior, Wall Street voltou a bater recordes hoje em meio aos fortes resultados trimestrais de grandes empresas norte-americanas e aos dados sólidos da semana, que mostraram uma recuperação vigorosa da economia.

Confira a variação e a pontuação dos índices de ações dos Estados Unidos no fechamento:

Dow Jones: +0,48%, 34.200,67 pontos

Nasdaq Composto: +0,10%, 14.052,30 pontos

S&P 500: +0,36%, 4.185,47 pontos