Governo deve estender o auxílio emergencial por mais dois ou três meses

O ministro da Economia, Paulo Guedes, faz palestra de encerramento do Seminário de Abertura do Legislativo de 2020. (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Brasília – O governo irá estender o auxílio emergencial por mais dois ou três meses, anunciou o ministro da Economia em evento do setor de serviços.”Possivelmente nós vamos estender agora o auxílio emergencial por mais dois ou três meses, porque a pandemia está aí”.Segundo Guedes, a ideia é que o auxílio dure até toda população adulta seja vacinada. Atualmente, a previsão de pagamento de R$ 150 a R$ 375 por mês é até o mês de julho.

“Os governadores estão dizendo que, em dois ou três meses, a população brasileira adulta vai estar toda vacinada. Então, nós vamos renovar por dois ou três meses o auxílio, e logo depois entra, então, o novo Bolsa Família, já reforçado”, declarou.

Guedes afirmou ainda que está finalizando o programa de Bônus de Inclusão Produtiva (BIP) e o Bônus de Incentivo à Qualificação (BIQ). No primeiro programa o bônus seria pago pelo governo e no segundo pela empresa, em ambos os casos o valor deve ser de R$ 275. O objetivo do programa, de acordo com o ministro, é criar empregos para jovens entre 18 e 20 anos que queiram fazer treinamento.

“Mais R$ 275 do governo e R$ 275 da empresa, o jovem consegue um programa de um ano, ou até um ano e meio, de qualificação. Achamos que vai ter um aumento rápido do emprego, uma redução do desemprego, tirando o jovem das ruas e colocando na qualificação profissional. São os ‘nem nem’, que tem nem universidade e nem emprego. Queremos que sejam incluídos no sistema produtivo”, afirmou.