Georgieva alerta sobre guerra comercial na falta de acordo sobre imposto global

A diretora gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva / Foto: FMI

São Paulo – A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, alertou para os riscos de uma espiral de impostos caóticos ou de uma guerra comercial se não houver um acordo sobre tarifas globais a lucros de empresas.

“Estamos particularmente otimistas quanto a um acordo global sobre a tributação da renda das empresas em 2021. E é urgentemente necessário evitar, no futuro, o risco de uma espiral de impostos caóticos ou de uma guerra comercial em que todos perdem”, disse Georgieva ontem, ao participar de um evento online.

Segundo ela, a secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, dinamizou a conversa sobre reforma tributária internacional no mês passado, anunciando um impulso com os países do G-20 (grupo que reúne economias mais industrializadas e países emergentes) para uma alíquota mínima global de impostos corporativos de 21%.

“Esse tipo de abordagem multilateral é a única maneira de garantir que as empresas multinacionais altamente lucrativas paguem impostos suficientes e os paguem aos países onde têm envolvimento significativo, incluindo países em desenvolvimento de baixa renda”, disse Georgieva.

A Alemanha e a França afirmaram no final do mês passado estão prontas para apoiar a proposta dos Estados Unidos para estabelecer um imposto global mínimo de 21% a empresas, e estão confiantes em alcançar um acordo dentro da União Europeia (UE), segundo os ministros de Finanças alemão, Olaf Scholz, e francês, Bruno Le Maire.

Questionado sobre a posição de outros países da União Europeia por impostos menores a empresas, como Luxemburgo, Malta ou Irlanda, Scholz respondeu: “As negociações estão em andamento, tudo parece que vamos concordar. A porcentagem do imposto faz parte das conversas”.