FMI prevê que economia brasileira crescerá 2,1% em 2023 e 1,2% em 2024

579
Foto: FreeImages.com / Afonso Lima

São Paulo – O Ministério da Fazenda informou que o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou nesta segunda-feira o relatório regular de supervisão da economia brasileira, com previsão de crescimento de 2,1% em 2023 e 1,2% em 2024, convergindo ao longo dos anos seguintes para o potencial da economia brasileira no médio prazo, em torno de 2%. As estimativas do FMI são consideradas conservadoras pelo governo brasileiro, e estão abaixo da mediana das estimativas de mercado. O FMI nota ainda que a inflação segue em uma forte trajetória de queda, embora o núcleo e as expectativas mostrem maior resistência.

O governo brasileiro afirma ter colaborado “intensamente” com o FMI no processo de consultas que culminou no relatório divulgado nesta segunda (2023 Article IV Consultation). De acordo com o Artigo IV do Acordo Constitutivo do FMI, todos os 190 países-membros devem submeter-se regularmente a exercícios semelhantes.

O Ministério da Fazenda afirma que, embora o relatório identifique a prevalência de riscos negativos, especialmente no cenário externo, muitos diretores do Fundo destacaram que as expectativas domésticas evoluíram positivamente e incentivaram as autoridades brasileiras a continuarem com o esforço fiscal e de controle de inflação, e, ao mesmo tempo, persistirem com a agenda de reformas estruturais para promover uma economia verde, sustentável e inclusiva.

Para realizar a ambiciosa agenda proposta pelo governo brasileiro, o FMI avalia que o Brasil precisará enfrentar desafios econômicos de curto e longo prazos. Entre os desafios mencionados pelo FMI estão crescimento potencial relativamente baixo, inflação, endividamento das famílias e falta de espaço fiscal para gastos prioritários, incluindo investimentos públicos, além de riscos associados a mudanças climáticas. A reforma tributária, o novo arcabouço fiscal, o fortalecimento de mecanismos de resolução de disputas tributárias e o programa desenrola do governo federal são mencionados de forma positiva no relatório.

O relatório destaca, também, os fortes mecanismos de resiliência da economia brasileira diante de eventuais choques externos, como a existência de um sistema financeiro saudável, reservas internacionais adequadas, baixa dívida externa, e um robusto colchão de liquidez do setor público.

O diretor brasileiro no FMI, Afonso Bevilaqua, agradeceu o trabalho do corpo técnico do Fundo e ressaltou que o crescimento da economia brasileira tem surpreendido positivamente, afirmando que o crescimento potencial deverá continuar subindo como resultado das reformas efetuadas e em curso, que aumentarão a produtividade da economia. Reafirmou que as expectativas domésticas estão evoluindo favoravelmente e que a nova administração tem trabalhado para conciliar uma gestão macroeconômica responsável com justiça social e sustentabilidade ambiental.