Fed eleva taxas de juros em 0,75 pp para intervalo entre 1,5% e 1,75%

296
Foto: Shutterstock

São Paulo – O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) elevou as taxas básicas de juros dos Estados Unidos em 0,75 ponto percentual (pp) para a faixa de intervalo entre 1,50% e 1,75%, após reunião de dois dias para decidir os próximos passos de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

Segundo comunicado, o órgão também continuará a redução de patrimônio por meio da liquidação de títulos do Tesouro e ativos hipotecários e garantiu que o Fed está fortemente comrpmetido com a redução da inflação no país, prometendo mais elevações das taxas básicas.

“O Comitê busca alcançar as metas de máximo emprego e inflação à taxa de 2% no longo prazo. Em apoio a essas metas, o Comitê decidiu aumentar a faixa-alvo para a taxa dos fundos federais para 1,5% a 1,75% e prevê que aumentos contínuos na faixa-alvo serão apropriados”, afirma o comunicado divulgado pelo Fomc.

“Além disso, o Comitê continuará reduzindo suas participações em títulos do Tesouro e dívida de agências e títulos lastreados em hipotecas, conforme descrito nos Planos para Redução do Tamanho do Balanço do Federal Reserve, emitidos em maio. O Comitê está fortemente comprometido em retronar a inflação à sua meta de 2%”.

Votaram a favor da decisão a grande maioria dos membros do Fomc, incluindo o presidente da unidade de Filadélfia do Fed, Patrick Harker, que atua como suplente. Contra voutou apenas a presidente da unidade de Kansas CIty do Fed, Esther L. George, que preferia um aumento de 0,5 pp.

O Fomc destacou que a atividade econômica do país voltou a acelerar após uma breve decaída no primeiro trimestre do ano e afirmou que o mercado de trabalho permance forte.

“A inflação permanece elevada, refletindo desequilíbrios de oferta e demanda relacionados à pandemia, preços mais altos de energia e pressões mais amplas sobre os preços”, explica o anúncio.

De acordo com o Fed, a invasão da Ucrânia pela Rússia está causando enormes dificuldades humanas e econômicas. “A invasão e os eventos relacionados estão criando uma pressão ascendente adicional sobre a inflação e estão pesando sobre a atividade econômica global”, afirma o comunicado.

“Além disso, os bloqueios relacionados à covid-19 na China provavelmente exacerbarão as interrupções na cadeia de suprimentos. O Comitê está altamente atento aos riscos inflacionários”, acrescentou.

Por fim, o Fomc garantiu que permence monitorando os dados e estará pronto para ajustar a orientação da política monetária conforme apropriado caso surjam riscos que possam impedir a consecução dos objetivos do Comitê.