Exportação de 39 aeronaves reforça balança comercial brasileira

280

São Paulo, SP – A balança comercial do país ganhou reforço com a exportação de mais 39 aeronaves da Embraer com financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). São três contratos distintos – com a Skywest Airlines, Inc, a American Airlines e a Azorra Aviation Holdings LLC – que somam o equivalente a mais de R$ 7 bilhões em exportação de bens de alta tecnologia e alto valor agregado. As operações terão financiamento no valor de cerca de R$ 6 bilhões do BNDES para a fabricante brasileira de aviões sediada em São José dos Campos.

Além de promover o desenvolvimento da indústria nacional de bens tecnológicos, as exportações de aeronaves ampliam e mantém empregos de elevada qualificação e geram divisas importantes para a economia do país. Trata-se de operações estratégicas alinhadas
à política brasileira de apoio à exportação e estão inseridas em um esforço maior empreendido pelo Governo Federal de trazer mais competitividade às exportações brasileiras e incentivar a atuação das empresas nacionais no mercado internacional.

O presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, ressaltou que o financiamento às exportações das aeronaves da Embraer é fundamental para o Brasil. “O BNDES, como agência de crédito à exportação brasileira, tem entre os seus objetivos, oferecer condições que garantam igualdade de competitividade ao exportador brasileiro no mercado internacional, gerando emprego e renda no Brasil”, pontuou.

“A Embraer e o BNDES têm uma relação sólida e de longo prazo. O apoio que recebemos para a exportação de nossas aeronaves é fundamental para consolidarmos o nosso crescimento e ampliarmos a nossa presença global. A atuação do Banco não beneficia apenas a Embraer, mas contribui também para a geração de milhares de empregos de alta qualificação no Brasil e para o aumento da exportação de produtos de alto valor agregado”, afirmou Francisco Gomes Neto, Presidente e CEO da Embraer.

Somente esse ano, o Banco já aprovou e contratou sete operações de financiamento à exportação da empresa, totalizando 67 aviões comerciais (até R$ 10 bi em financiamento) com entregas previstas até 2025. O contrato com a companhia aérea SkyWest Airlines, Inc, permitirá a exportação de 10 jatos E-175 da Embraer modelo E-175 (até 76 passageiros). Já a American Airlines teve financiamento aprovado pelo BNDES para a aquisição de até 11 jatos E-175.

Os jatos E-195-E2 (de até 146 lugares) e E-190-E2 (de até 114 lugares) são as maiores e mais sofisticadas aeronaves da fabricante brasileira. A venda de até 18 jatos dos dois modelos foi firmada com a empresa norte-americana Azorra Aviation Holdings LLC, especializada em aquisição e leasing de aeronaves para a operação de companhias aéreas comerciais.

“Este ano foi o melhor dos últimos dez em aprovações de financiamento às exportações da Embraer, ressaltou o diretor de Desenvolvimento Produtivo, Inovação e Comércio Exterior do BNDES, José Luís Gordon. Ele lembrou que, desde a pandemia de Covid-19, o setor enfrentou impactos substanciais, com redução significativa na aquisição de novas aeronaves e redução da oferta de crédito internacional.

Das três operações recém aprovadas, duas (American Airlines e Azorra) contaram com o Seguro de Crédito à Exportação (SCE) com lastro no Fundo Garantidor de Exportação (FGE) e recolherão aproximadamente R$ 300 milhões em novos prêmios de seguro para o fundo. De natureza contábil e vinculado ao Ministério da Fazenda, o FGE tem como finalidade dar cobertura às garantias prestadas pela União nas operações do SCE.

O seguro garante as operações de crédito à exportação contra os riscos comerciais (não pagamento por falência ou mora), políticos (moratórias, guerras, revoluções entre outros) e extraordinários (desastres naturais) que possam afetar a produção ou a comercialização de bens e serviços brasileiros no exterior.