EUA sancionam maior fabricante de chips da China por apoio a Exército

O vice-primeiro-ministro da China, Liu He, ao lado do ex-presidente norte-americano, Donald Trump, na Casa Branca / Foto: Shealah Craighead/ Casa Branca

São Paulo – O Departamento de Defesa dos Estados Unidos adicionou quatro empresas da China, entre elas a maior fabricante de chips do país e a produtora nacional de petróleo, à lista de companhias sancionadas por suas ligações com atividades militares chinesas.

Segundo o Pentágono, em comunicado, tratam-se de “empresas militares comunistas chinesas” que operam direta ou indiretamente nos Estados Unidos. São elas: Semiconductor Manufacturing International Corporation (SMIC); China National Offshore Oil Corpany (CNOOC); China Construction Technology Company (CCTC) e China International Engineering Consulting Corporation (CIECC).

“O Departamento está determinado a destacar e contrariar a estratégia de desenvolvimento da Fusão Militar-Civil da China, que apoia as metas de modernização do Exército de Libertação Popular, garantindo seu acesso a tecnologias avançadas e conhecimentos adquiridos e desenvolvidos pela própria as empresas, universidades e programas de pesquisa da China que parecem ser entidades civis”, diz a nota.

O Pentágono divulgou sua lista inicial de empresas ao Congresso em junho de 2020, a afirmou que continuará a atualizar a lista com entidades adicionais, conforme apropriado.

No dia 12 de novembro, o presidente norte-americano, Donald Trump, assinou um decreto proibindo os norte-americanos de investir em 31 empresas chinesas – que incluem grandes estatais aeroespaciais, construção naval e construção, bem como tecnologia – que segundo os Estados Unidos auxiliam na modernização do Exército de Libertação Popular.