Estudo diz que duas doses de vacina contra covid-19 não protegem contra Ômicron

757
Vacinas Pfizer-BioNTech contra covid-19 / Foto: União Europeia (UE)

São Paulo – Duas doses das vacinas produzidas pela Oxford em conjunto com a AstraZeneca ou pela Pfizer em parceira com a BioNTech são substancialmente menos eficazes contra a variante Ômicron do coronavírus em comparação com variantes anteriores, afirma uma pesquisa da Universidade de Oxford.

No entanto, os pesquisadores dizem estar otimistas de que uma injeção de reforço melhoraria a imunidade contra a nova cepa.

O estudo usa amostras de sangue de pessoas 28 dias após a segunda dose de ambas as vacinas. Os cientistas relataram “uma queda substancial” nos anticorpos neutralizantes quando confrontados com a nova variante. Segundo o documento da pesquisa, alguns recipientes da vacina “não conseguiram neutralizar o vírus de forma alguma”.

“Isso provavelmente levará a um aumento de infecções invasivas em indivíduos previamente infectados ou vacinados duplamente, o que pode levar a uma nova onda de infecção, embora atualmente não haja evidência de aumento do potencial de causar doenças graves, hospitalização ou morte”, disseram os autores do estudo.

O estudo ainda não foi revisado por pares e foi publicado no servidor MedRxiv.

Gavin Screaton, chefe da Divisão de Ciências Médicas da Universidade de Oxford e principal autor do artigo, disse em um comunicado à imprensa que as descobertas deveriam reforçar a necessidade das doses adicionais.

“Embora não haja evidências de aumento do risco de doença grave ou morte do vírus entre as populações vacinadas, devemos permanecer cautelosos, pois o maior número de casos ainda representará um fardo considerável para os sistemas de saúde”, alertou.

Um relatório publicado pela Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido na sexta-feira estimou que duas doses da vacina contra covid-19 foram significativamente menos eficazes na prevenção de doenças sintomáticas por infecção da variante Ômicron em comparação com a Delta. No entanto, o relatório observou que, após uma dose de reforço, as vacinas eram consideradas 70% a 75% eficazes na prevenção de infecções sintomáticas.

“Com as variantes anteriores, a eficácia da vacina contra doenças graves, incluindo hospitalização e morte, foi maior do que a eficácia contra doenças leves”, disse o UKHSA. “Levará algumas semanas até que a eficácia contra doenças graves causadas pela Ômicron possa ser estimada, no entanto, com base nesta experiência, é provável que seja substancialmente maior do que as estimativas contra doenças sintomáticas.”

Em uma declaração transmitida pela televisão no domingo, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, alertou a Grã-Bretanha enfrenta uma “onda” de infecções por Ômicron e anunciou que o país iria acelerar seu programa de reforço para oferecer a todos os adultos uma terceira dose de uma vacina até o final de o ano. Anteriormente, o governo pretendia estender seu esquema de reforço a todos os maiores de 18 anos até o final de janeiro.